Política PCP defende fusão da PSP e da GNR numa só polícia

PCP defende fusão da PSP e da GNR numa só polícia

O PCP retomou hoje a ideia de fusão da PSP e da GNR numa só polícia, de "natureza civil", mas não quer um debate à pressa, nem tem um calendário.  
PCP defende fusão da PSP e da GNR numa só polícia
Correio da Manhã
Lusa 02 de agosto de 2017 às 14:22

"Mais do que apresentar um projecto à pressa, o que nos parece necessário é que o debate se faça e a discussão tenha lugar", afirmou Rui Fernandes, da comissão política do PCP, numa conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, sobre forças de segurança.

 

Apesar de não excluir apresentar um projecto de fusão no curto prazo, Rui Fernandes explicou que não deve haver "assuntos tabu" e que deve começar a discutir-se o assunto, em que as forças de seguranças sejam ouvidas.

 

Para o PCP, não se coloca uma questão constitucional, quanto à natureza da GNR, força militar, e a PSP, dado que na Constituição as Forças Armadas estão num capítulo (artigo 275.º) e as forças de segurança noutro (artigo 272.º).

 

"Para o PCP, as forças e serviços de segurança devem ter uma natureza civil", defendeu.

 

Os comunistas olham a fusão não como uma redução de efectivos, mas sim como uma redistribuição, podendo aproveitar-se para criar uma só estrutura a partir das forças de intervenção, da PSP e da GNR.

 

A solução poderia passar por "concentrar mais meios, libertando também profissionais que poderiam ir para os serviços operacionais", argumentou Rui Fernandes.

 

Desta fusão, o PCP exclui o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), como chegou a ser equacionado em 2012, quando PSD e CDS-PP eram Governo, embora tal nunca tenha avançado.

 

Um estudo do Observatório de Segurança, de 2012, estimava uma poupança de 100 milhões de euros com esta fusão. 

 

Dez anos antes, em 2003, foi o sindicato da polícia a fazer a sugestão, mas sucessivos governos nunca avançaram com propostas concretas.

 

Na conferência de imprensa, Rui Fernandes citou um estudo da PSP em que se avaliavam os prós e os contras da fusão.

 

"São mais os prós do que os contras", do ponto de vista do dirigente do PCP.

 

De resto, acrescentou, defende a "dignificação e a valorização" dos estatutos sociais e profissionais das forças de segurança.

 

Rui Fernandes deixou ainda algumas críticas à ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

 

Contra a tese "de que se pode 'fazer mais com menos'", Rui Fernandes referiu que a ministra "falou mais uma vez na libertação de pessoal em serviços administrativos" para a "componente operacional" e nada "de significativo se registou".

 

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Há 3 semanas

È tão necessário como juntar as autarquias 50 chegam. Haja políticos competentes

Anónimo Há 3 semanas

Sejamos coerentes: A direita não quer a união da Guarda e da Policia, para que os seus filhos tenham os melhores lugares previlegiados naquelas Forças de Segurança.

Tereza economista Há 3 semanas

Grande PCP, deve juntar a GNR, PSP, SEF, PJ, ASAE e Policia Marítima, poupando mil milhões em 5 anos em meios e sistemas operacionais e informáticos. Haja coragem.

Anónimo Há 3 semanas


Sejamos coerentes: O que se deve fundir são os comunistas todos para que não haja dúvidas sobre a sua conformidade entre o ser e o parecer...

ver mais comentários
pub