Política PCP defende que IRS faseado é "objectivo pouco ambicioso"

PCP defende que IRS faseado é "objectivo pouco ambicioso"

Jerónimo acusa CDS de ter objectivos "políticos" ao levar o Programa de Estabilidade a votos. PCP diz que documento é "fato apertado".
PCP defende que IRS faseado é "objectivo pouco ambicioso"
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 18 de abril de 2017 às 16:01

Jerónimo de Sousa defendeu esta terça-feira que a possibilidade admitida pelo Bloco de Esquerda de fazer de forma faseada a revisão dos escalões do IRS é um "objectivo pouco ambicioso". O secretário-geral comunista criticou o CDS por levar o Programa de Estabilidade a votos quando concorda com "a matriz" europeia lá inscrita.

 

As declarações de Jerónimo de Sousa foram feitas em Belém depois da audiência com o Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa está desde segunda-feira a ouvir os partidos sobre os dois documentos que seguem este mês para Bruxelas.

 

Ontem, também depois do encontro com Marcelo, a líder do Bloco de Esquerda admitiu que o aumento do número de escalões de IRS pudesse ser feito em mais de um Orçamento, tendo em conta o custo orçamental da medida, que Catarina Martins disse ser de 2.000 milhões de euros. Uma tese partilhada pelo Governo, segundo avançou o Público.

 

Mas Jerónimo não parece concordar. "É um objectivo pouco ambicioso", disse quando questionado pelos jornalistas, justificando que em termos de justiça fiscal "só foi devolvido um quarto" do que foi retirado antes.

 

O líder comunista afirmou que procurará com o Governo analisar o Orçamento do Estado e referiu-se aos escalões de IRS, às carreiras da Administração Pública e à necessidade de colocar trabalhadores no Serviço Nacional de Saúde como batalhas previstas para a negociação do Orçamento.

 

De resto, em relação ao Programa de Estabilidade e ao Programa Nacional de Reformas, Jerónimo de Sousa defendeu tratar-se de um "espartilho". "É um fato apertado que não nos deixa respirar", afirmou.

 

Por quando confrontado com os jornalistas sobre porque motivo o PCP não leva os documentos a votos, Jerónimo defendeu que essa é uma tarefa do Governo. Quanto ao projecto de resolução do CDS, o líder comunista acusou o partido de Assunção Cristas de ter "objectivos políticos". O secretário-geral comunista desafiou o CDS a explicar por que razão leva o documento a votos se "está de acordo com a matriz europeia". O que o CDS propõe é "um regresso ao passado", disse, sinalizando assim que votará contra a iniciativa dos centristas.


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.04.2017

O PCP deve reunir os seus neurónios todos e criar uma proposta de reforma fiscal para a Eurozona baseada na Automated Payment Transaction tax de Edgar L. Feige.

comentários mais recentes
Juca 18.04.2017

O PCP virou Partido Capitalista, proprietário de bens valiosos e que pretende não sejam sujeitos a grandes encargos/impostos. A sacanagem da política, obviamente.

Anónimo 18.04.2017

O problema central da economia de Portugal é a adulação feita ao factor trabalho mesmo quando aquele se deixa de justificar e o ódio ao factor capital mesmo que não haja justificação alguma para esse ódio. Onde não se pode despedir, onde não deixam desalocar e realocar convenientemente capital e factor trabalho de modo rápido, inteligente e descomplicado, nunca é possível obter boas e funcionais organizações dignas da realidade contemporânea do Primeiro Mundo em que, apesar de tudo, vivemos.

DJ viajante 18.04.2017

O Jeronimo de fato, gravata e camisa colarinho Italiana. Ja pronto para o poder e se enriquecer a nossa custa como todos os politicos. Que grande reviravolta amigo Jeronimo ou sera que ha saias vermelhas po ai? Talvez as da Cathy ahahahah

Anónimo 18.04.2017

O PCP deve reunir os seus neurónios todos e criar uma proposta de reforma fiscal para a Eurozona baseada na Automated Payment Transaction tax de Edgar L. Feige.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub