Política PCP fala em convergência PS, PSD e CDS "cada vez mais visível"

PCP fala em convergência PS, PSD e CDS "cada vez mais visível"

O secretário-geral do PCP alertou hoje para uma convergência "cada vez mais visível" entre o Governo do PS, PSD e CDS-PP, apontou para medidas do Orçamento do Estado por concretizar e sublinhou a importância da "luta organizada".
PCP fala em convergência PS, PSD e CDS "cada vez mais visível"
Lusa 25 de junho de 2017 às 20:33

"O Comité Central do PCP chama a atenção para a cada vez mais visível convergência em matérias de relevância entre o Governo do PS e o PSD e o CDS. Essa convergência assume particular significado em matéria de direitos dos trabalhadores e em opções do domínio económico e financeiro", defendeu Jerónimo de Sousa.

 

Esta foi uma das conclusões da reunião do Comité Central do PCP, o órgão máximo do partido entre congressos, que se reuniu hoje, na sede comunista, em Lisboa.

 

"O Comité Central sublinha a importante dinâmica da luta de massas atingida nos últimos meses e reafirma que, nesta nova fase da vida política nacional, o desenvolvimento da luta organizada, é condição indispensável para levar mais longe a defesa, reposição e conquista de direitos, e concretizar a ruptura com a política de direita", declarou.

 

Valorizando "os avanços e passos dados na defesa, reposição e conquista de direitos na nova fase da vida política nacional", Jerónimo de Sousa afirmou, contudo, que "não é possível iludir que o balanço da execução do Orçamento do Estado para 2016 revela aspectos que contrariam e distorcem elementos positivos do seu conteúdo e que se mantêm ainda por concretizar várias medidas aprovadas no Orçamento do Estado para 2017".

 

"O PCP não pode deixar de assinalar que matérias várias continuam injustificadamente por concretizar, enquanto se avoluma a ausência de respostas a legítimas expectativas dos trabalhadores e ao acumular de insuficiência de recursos destinados à valorização e funcionamento dos serviços públicos", defendem os comunistas.

 

Jerónimo de Sousa apontou "os constrangimentos impostos no investimento público, as cativações orçamentais que agravam a afectação de financiamento em áreas como a saúde, a educação, a cultura ou a modernização do sistema de transportes, bem como a recusa em ir mais longe na reposição de direitos ou na resposta a questões como a da reforma de trabalhadores com longas carreiras contributivas".

 

Estas matérias, sustentou, "todas ditadas e justificadas com o cumprimento das determinações da União Europeia, mostram, ao contrário do que o governo sustenta, o confronto entre a sujeição às imposições europeias e a resposta plena e sustentada aos problemas do povo e do país".




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 4 semanas

Este anda com dores de corno."Casaste" ,agora aguenta

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Aiiii camarada Jerónimo. Não sei se te acuda ou te deixe andar. É preciso reconhecer a jovialidade aqui do camarada. Um homem da sua idade, que se mantem fiel aos principios já extintos da revolução bolchevique, que nega as atrocidades soviéticas, mas que ao mesmo tempo faz trapezismo politico, envergonhando qualquer jovem da faixa etária dos 20. Que come sapos como eu como batatas fritas..Não é para qualquer um!!!
Devo acrescentar que a moda pegou em Portugal. A cada semana que passa fico espantado com a quantidade de artistas circenses que este país faz desabrochar malabaristas, trapezistas, palhaços, ursos, mulheres barbudas e engolidor de sapos. Há de tudo um pouco..Talvez seja sinais dos tempos e motivados pelo turismo, afinal é preciso entreter a malta. E se desgraças ocorrem no país a culpa não é da mother Russia é da mother nature. E é nessas alturas que fazemos entrar em cena os palhaços e os malabaristas..

Camaradaverao75 Há 4 semanas

Oh camarada associado a esta canalha? Banqueiros, ofshores, vigarices. E o povo martirizado por impostos, impostos, e a morrer, a gritar por Socorro!

Anónimo Há 4 semanas

Isto seria credível se houvesse propostas conjuntas para acabar com o aborto,casamentos não heterossexuais,adopçoes --,diminuição/abolição de certos impostos etc, até lá tudo corre sobre rodas.

Boy podre Há 4 semanas

Fala com o Costa Caril

ver mais comentários
pub