Política PCP lança campanha sobre saída do euro

PCP lança campanha sobre saída do euro

"Foi decidido realizar uma campanha em torno da libertação da submissão ao euro, entre Janeiro e Junho de 2017, em articulação com a exigência de renegociação da dívida e a recuperação do controlo público da banca," afirmou Jerónimo de Sousa.
PCP lança campanha sobre saída do euro
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 17 de dezembro de 2016 às 19:30

O PCP anunciou este sábado, 17 de Dezembro, que vai realizar uma campanha sobre a saída do euro, entre Janeiro e Junho de 2017, e pediu medidas ao Governo que impeçam novo "caos nas urgências hospitalares" associado ao surto de gripe.

Estas posições decididas em Comité Central foram comunicadas aos jornalistas pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa, na sede nacional deste partido, em Lisboa.

O secretário-geral do PCP afirmou que "foi decidido realizar uma campanha em torno da libertação da submissão ao euro, entre Janeiro e Junho de 2017, em articulação com a exigência de renegociação da dívida e a recuperação do controlo público da banca".

Quanto à saúde, Jerónimo de Sousa declarou que o PCP considera que existe "a imperiosa necessidade de tomada de medidas" no sector, "agora que se aproxima o pico das temperaturas baixas com o surto de gripe a elas associado".

"A possibilidade de se repetirem situações de caos nas urgências hospitalares é real. É necessário impedir situações idênticas às verificadas nos últimos anos, com tempos de espera muito acima do que seria normal e com consequências dramáticas para alguns dos doentes que recorreram a esses serviços", defendeu.

Segundo o PCP, devem ser tomadas "as inadiáveis medidas necessárias para a formação das equipas, que passam não pela aposta na contratação dos profissionais das empresas de aluguer de mão-de-obra, mas pela resolução dos constrangimentos que dificultam a constituição das equipas com profissionais dos respectivos hospitais e a disponibilização de mais camas de internamento", acrescentou.

Na declaração que leu aos jornalistas, Jerónimo de Sousa alertou também para o que classificou de "grave situação existente no sector dos transportes públicos, em resultado da saída de trabalhadores e da persistente falta de manutenção das frotas, problemas que têm condicionado de forma preocupante a mobilidade das populações nos últimos anos".

"O PCP defende a necessidade da tomada de medidas urgentes visando a solução dos problemas existentes, designadamente nos transportes fluviais e no metropolitano", disse.


A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.12.2016

E quem paga a fatura da saida do euro é o PCP.

Como sempre estes gajos são uns alucinados, vivem ás custas do sistema.

José 18.12.2016

O muro já caiu há muito!

Eduardo 18.12.2016

Nunca devíamos era ter entrado. Quando entrou o euro, deram aos portugueses 1 Euro por cada 200$ e agora, será que dão 200$ por cada euro? É claro como a água, que uma economia tão debilitada como a nossa, nunca podia competir com economias como Alemanha, França, Inglaterra, etc.

Dono dos Burros 18.12.2016

Tenho aqui jumentos a comentarem. Da parte que me toca a saída do euro, não vai acontecer porque o Camarada Jerónimo quer, mas porque o Euro dos jumentos que o defendem, vai à vida mais depressa do que eles pensam. Nessa altura vou dar umas boas arrochadas no lombo destes animais.

ver mais comentários
pub