Política PCP levanta dúvidas sobre "a atitude" de Centeno no caso CGD

PCP levanta dúvidas sobre "a atitude" de Centeno no caso CGD

Sublinhando que sempre se pronunciou pela apresentação de rendimentos, o PCP afirma, em comunicado, que “a ter existido uma outra atitude do Ministro das Finanças ela confronta-se com a posição e a crítica do PCP”.
PCP levanta dúvidas sobre "a atitude" de Centeno no caso CGD
Catarina Almeida Pereira 14 de fevereiro de 2017 às 11:19

Sublinhando que sempre se pronunciou pela exigência da apresentação da declaração de rendimentos pelo ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos, o PCP afirmou, em comunicado, que "a ter existido" uma "outra atitude" do ministro das Finanças, esta merece a "crítica do PCP".


"O PCP sempre se pronunciou pela exigência da apresentação de declaração de rendimentos por António Domingues, ex-Presidente da Caixa Geral de Depósitos. A ter existido uma outra atitude do Ministro das Finanças ela confronta-se com a posição e a crítica do PCP", lê-se no documento enviado às redacções esta terça-feira, 14 de Fevereiro.

No entanto, o comunicado também apresenta a questão da continuidade de Mário Centeno como resolvida.

"A decisão sobre a manutenção em funções do Ministro das Finanças cabe ao Primeiro- Ministro que entretanto já se pronunciou, em articulação com o Presidente da República, pela sua continuidade", lê-se no comunicado.

O ministro das Finanças deu esta segunda-feira uma conferência de imprensa onde admitiu um "erro de percepção mútuo" nas negociações com António Domingues, que exigia ser excepcionado da obrigação de apresentar a declaração de rendimentos.

Mais tarde o primeiro-ministro reforçou a sua confiança no titular da pasta das Finanças  e o Presidente da República aceitou que Mário Centeno fique em nome da estabilidade financeira

Para o PCP, "face a sucessivas campanhas em parte animadas por erradas decisões adoptadas pelo governo, a questão central que continua a colocar-se é denunciar e pôr fim à operação que o PSD, o CDS e o grande capital desenvolvem contra a Caixa Geral de Depósitos visando a sua privatização".


O PCP reitera que defenderá "o controlo público" da CGD e a defesa dos interesses dos trabalhadores.

 




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 14.02.2017

Não é indigência, é, sim, a continuidade da filosofia da troica -Lenine-Staline-Mao, que é a de identificar em cada momento o inimigo principal e aliar-se, se conveniente, for a inimigos de antes e de depois para o atacar.
Esta filosofia subjacente à estratégia política pode até fazer sentido no puro plano teórico, mas na prática vê-se, tem-se visto, os resultados que gerou e gera em palcos onde tal filosofia foi aplicada: o apoio e acolhimento a autênticas aberrações humanas, como é aquele ogre que está na Coreia do Norte.

comentários mais recentes
&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&6 14.02.2017

Não se esqueçam q quem meteu lá os anteriores foram vocês e BE. Por isso não metam o país mais noutra baralhada. O país n está em condições p brincar a eleições.

Bela 14.02.2017

Tu e avcatarina tanto esticam a corda que qualquer dia estao a falar so um para o outro

manuel pereira 14.02.2017

Oh Jerónimo, mais vale tarde do que nunca..., até que enfim acordaste!!!!
Vai para o teu quintal e deixa a politica para os mais novos... Com o apoio ao Chico- Esperto andaste mal e vais cair no boeiro!!!!

O Dr. Costa podia bem ter evitado isto 14.02.2017

Na verdade, embora concorde e defenda incondicionalmente esta solução governativa, face à do pulha PASSOS, teremos de convir que o Dr. António Costa, com esta "cena" da CGD deu, desnecessariamenbte, o flanco e pôs-se a jeito para dar algum oxigénio a um PASSOS, que já andava totalmente moribundo.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub