Orçamento do Estado PCP: OE2017 não é o que o país precisa mas integra orientações e medidas positivas

PCP: OE2017 não é o que o país precisa mas integra orientações e medidas positivas

O Partido Comunista Português (PCP) considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) não é "aquela que o país precisa" mas integra "orientações e medidas que dão resposta a prementes problemas" dos cidadãos.
PCP: OE2017 não é o que o país precisa mas integra orientações e medidas positivas
Lusa 31 de Outubro de 2016 às 19:29

A proposta de Orçamento, "não sendo aquela que o país precisa", abre "a possibilidade, a não desperdiçar, para repor e conquistar direitos", declarou hoje o secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa.

 

O líder comunista falava na sede do partido, em Lisboa, no final de uma reunião do Comité Central do PCP, centrada na análise da situação política e social do país, com o OE2017 como pano de fundo para a discussão.

 

O voto favorável dos comunistas na votação na generalidade do Orçamento visa, adiantou Jerónimo de Sousa, "possibilitar uma intervenção na especialidade com o objectivo de limitar aspectos negativos" que o documento comporta e inscrever "novos avanços que são necessários à melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo português".

 

"Da confirmação dessa perspectiva e da ponderação do conjunto de implicação decorrentes no plano mais geral para a vida do país dependerá a avaliação final que o PCP venha a assumir sobre esta matéria", prosseguiu o líder do PCP, abordando a votação final global do Orçamento do Estado.

Na especialidade, os comunistas irão levar a discussão matérias como o "aumento de dez euros de todas as pensões, incluindo as mais baixas", ou o "fim das restrições aos direitos e retribuições dos trabalhadores da administração pública".

 

O PCP, adiantou o seu líder, irá também bater-se pelo aumento do número de escalões de IRS, o cumprimento da lei das Finanças Locais ou o combate à precariedade.

 

"Independentemente da versão final que o Orçamento do Estado para 2017 venha a revelar, chama-se a atenção para aquilo que se vai tornando cada vez mais óbvio: a necessidade de uma rutura com a política de direita que abra caminho a uma política alternativa patriótica e de esquerda", concretiza Jerónimo de Sousa.

 

O Orçamento é debatido na generalidade no parlamento na quarta-feira e na quinta-feira e desce depois à especialidade para novas discussões e eventuais alterações.


(notícia actualizada às 22:31)




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Kaprandanda Há 1 semana

Este horse face continua, ou melhor, nunca saiu do antes Novembro de 75:
Desde esse tempo nunca faz a ponta de um corno, vive e vive à pala do Zé , vem agora com a cantilena " é preciso uma rutura com a política de direita que abra caminho a uma política alternativa patriótica e de esquerda "

Criador de Touros Há 1 semana

Eis o rosto deste PREC: velho, alucinado, esperto, comunista estalinista, mas comunista pragmático, fiel da balança destre PREC desalmado que quer estirpar a alma em definitivo a Portugal, espécie de pai político do socialista maçom GOL António Costa, espécie de nemésio dos comunistas trotskistas galináceos do Bloco de Esquerda, protegido de Álvaro Cunhal, comandante das tropas dos sindicatos e general de muitas estrelas invisíveis, avô da esquerda portuguesa reumatóide, analfabeto de muitos recursos, chico-esperto tuga, croupier deste casino político, ideólogo da fábrica, afinador da máquina esquerdoida, polícia da geringonça, sulista europeu não-elitista, guardador dos porcos triunfadores e dos seus sonhos de poder que nos trazem pesadelos, príncipe da paz podre, doutor de comité, camarada convidado, tradutor perdido na tradução, condutor de varas omnívoras, angariador de seguros para o 25 de Abril, co-inventor da troika da geringonça...que Portugal assim não vai lá...

Anónimo Há 1 semana

O que ele quer dizer é: "O OE2017 é uma M E R D A, mas os 'nossos' estão acautelados."
Muito bem. Trabalho feito camaradas.
Depois das rãs, agora vamos aos sapos.
Tragam o garrafão de água.

Anónimo Há 1 semana

Tenham vergonha, já aceitam tudo. Participaram neste 2º 25 de Abril para derrubarem o que agora já estaria a produzir efeitos positivos. Não passam de uns subservientes do PS, mas o vosso eleitorado mais coerente e informado dar-vo-à a resposta. Cortes na educação (e grandes) etc.

pub
pub
pub
pub