Economia PCP propõe fim do pagamento por conta para pequenas empresas até 2019

PCP propõe fim do pagamento por conta para pequenas empresas até 2019

O PCP quer acabar com o chamado pagamento especial por conta até 2019. A medida consta de uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2017, entregue esta sexta-feira no Parlamento.
PCP propõe fim do pagamento por conta para pequenas empresas até 2019
Miguel Baltazar
Negócios 11 de novembro de 2016 às 17:10

O Grupo Parlamentar do PCP avançou esta sexta-feira com uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2017 que reivindica o fim do chamado pagamento especial  (PEC) por conta até 2019.

A mesma proposta avança ainda com o propósito de redução do PEC pago pelas micro, pequenas e médias empresas de 1.000 para 850 euros.

Estas duas medidas defendidas pelos comunistas integram um primeiro pacote de propostas de alterações ao OE para o próximo ano, que actualmente está em fase de discussão na especialidade, depois da aprovação pela maioria parlamentar de esquerda.


Entre as mudanças que o PCP pretende introduzir no Orçamento conta-se ainda o alargamento da majoração do subsídio de desemprego, eliminando a consideração das pensões de alimentos para efeitos da sua atribuição.


Nas áreas da agricultura e das pescas, os comunistas vão também procurar que o próximo Orçamento do Estado inclua um aumento do apoio aos pequenos agricultores no gasóleo agrícola em três cêntimos por litro, até aos 1000 litros;  assim como a criação de um apoio à pequena pesca artesanal e costeira na aquisição de gasolina para as embarcações.

Orçamento do Estado para 2017 entra na próxima semana numa fase decisiva, com os partidos a fecharem as propostas de alteração, que têm de entregar até à próxima sexta-feira, dia 18 de Novembro.

O Governo já mostrou abertura para aceitar algumas propostas, tais como a descida do Pagamento Especial por Conta para as empresas e a subida das deduções com despesas de educação no IRS.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.11.2016

Como nas pequenas e medias empresas nao a lugar para armenios o canhoto jeronimo entende que se deve castigalos.Esta chachina nao tinha onde cair de morto,gritaram aos ouvidos do cavaco e valeram-se.Para onde caminha o pais.Nao vai faltar trabalho quando esta surrapa de esquerda se for embora.

Anónimo 11.11.2016


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA SÃO SUBSIDIADAS EM 500, 1000, 1500 E MAIS, POR MÊS.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.


pub
pub
pub
pub