Finanças Públicas PCP quer menos importações e mais produção nacional

PCP quer menos importações e mais produção nacional

O PCP considerou importante o crescimento económico de 2,8% revelado pelo Instituto Nacional de Estatística, mas alertou que os dados mostram também desequilíbrios como o aumento das importações, defendendo por isso um incremento da produção nacional.
PCP quer menos importações e mais produção nacional
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 14 de agosto de 2017 às 17:53

"Temos de facto um crescimento económico de 2,8 por cento que é importante do ponto de vista da recuperação económica do país, mas ele é travado e de certa forma limitado pelos desequilíbrios que a economia revela: com o aumento do consumo, do investimento e das exportações têm aumentado significativamente as importações", sustentou Vasco Cardoso da Comissão Política do PCP, em declarações aos jornalistas na sede nacional do partido, em Lisboa.

 

"Pensamos que é preciso apoiar o aparelho produtivo nacional, é preciso apoiar a produção nacional, é preciso substituir importações pela produção nacional para permitir que este crescimento deixe de ser um elemento apenas de passagem, mas seja um elemento que se consolide no futuro", explicou Vasco Cardoso.

 

Neste sentido, o PCP olha para o próximo Orçamento do Estado de 2018 "pensando naquilo que são as necessidades do país".

 

"É uma evidência que este crescimento económico que se tem vindo a registar é um estímulo para que se prossiga o rumo da reposição de direitos e de rendimentos e não para que se regresse a períodos de cortes nos salários e nas pensões", afirmou o dirigente comunista.

 

"É com esse objectivo que vamos discutir este Orçamento do Estado, colocando em cima da mesa a necessidade de se ir mais longe do ponto de vista das pensões, das prestações sociais, dos salários, dos direitos dos trabalhadores da administração pública, do funcionamento dos próprios serviços públicos e do investimento que o país tanto precisa para defender a produção nacional", concretizou.

 

A economia portuguesa voltou a crescer 2,8% no segundo trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano passado e, comparando com o trimestre anterior, cresceu 0,2%, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais relativas ao período entre Abril e Junho, o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 2,8% homólogos em volume, uma variação idêntica à registada no trimestre anterior.

 

A economia portuguesa mantém assim, pelo segundo trimestre consecutivo, o desempenho trimestral homólogo mais positivo dos últimos 10 anos, que iguala o crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O PCP quer sanear o director e toda a redação do J. de Negócios, e nomear um director e uma direção marxista bolivariana!

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Basta para isso que o amigo mande parar com as greves.

saraiva14 Há 1 semana

Muito bem Snr. Jerónimo Sousa! É preciso aumentar a produção nacional! Mas diga V.Exª. como é que isso se faz! É com muitas greves!? É com menos horas de trabalho!? É com mais fèrias e feriados!? É com mais impostos sobre as empresas e sobre o factor trabalho!|? Explique-se Snr. Jerónimo! Só dizer que é preciso aumentar a produção nacional é conversa para enganar os paspalhos!

Anónimo Há 1 semana

O PCP quer sanear o director e toda a redação do J. de Negócios, e nomear um director e uma direção marxista bolivariana!

Skizy Há 1 semana

Faltou dizer que isso só se consegue com nacionalizações mais função publica. Ups parece que isso é o que temos agora mais função publica e afinal mais importações... ups tio jeronimo o pagode não encaixa na realidade!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub