Política PCP "tem muita confiança" nos trabalhadores e "na sua capacidade de lutar e transformar"

PCP "tem muita confiança" nos trabalhadores e "na sua capacidade de lutar e transformar"

O PCP afirmou que "tem muita confiança" nos trabalhadores e "na sua capacidade de lutar e transformar" e reiterou a necessidade "de respostas imediatas" para todos os que foram atingidos pela tragédia dos incêndios no ano passado.
PCP "tem muita confiança" nos trabalhadores e "na sua capacidade de lutar e transformar"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 01 de janeiro de 2018 às 22:03
Na tradicional mensagem de Ano Novo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que hoje defendeu que 2018 terá de ser o "ano da reinvenção" da confiança, advertindo que os portugueses precisam de ter a certeza de que, "nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham".

Num comentário à mensagem do chefe de Estado, Dias Coelho, membro da comissão política do comité central destacou dois pontos.

O primeiro "sobre a tragédia que assolou o país, para manifestar de novo a solidariedade do PCP para com as pessoas atingidas, mas também para dizer que há causas e causadores e que as causas decorrem de décadas de políticas de abandono do interior, de abandono da floresta", afirmou, sublinhando "a necessidade de respostas imediatas para todos aqueles que foram atingidos pelas tragédias".

Dias Coelho apontou que "também que são precisas medidas de fundo, políticas de fundo que alterem aquilo que ocorreu durante essas décadas".

"O PCP tem muita confiança, confiança nos trabalhadores, confiança no povo, confiança na sua capacidade de lutar e de transformar", sublinhou

Dias Coelho referiu ainda "o caminho que tem sido seguido de reposição de direitos, de reposição de rendimentos, a necessidade de dar resposta aos problemas, designadamente do emprego, do aumento dos salários, da produção nacional, mas também das políticas sociais, no que diz respeito à saúde, à educação, à segurança social, à justiça, havendo mais médicos, mais enfermeiros, mais pessoal auxiliar nos hospitais, nas escolas, mais professores, com estabilidade de emprego, políticas que respondam às necessidades dos trabalhadores e do povo português".

Na tradicional mensagem de Ano Novo, este ano transmitida em directo a partir da sua casa, em Cascais, Marcelo Rebelo de Sousa elegeu a palavra "reinvenção" como a "palavra de ordem" de 2018, depois de um ano "estranho e contraditório", marcado "sobretudo pelas tragédias dos incêndios".

Depois de identificar as "reconfortantes alegrias" e as "profundas tristezas" que dominaram o ano de 2017, o chefe de Estado falou do "futuro", exigindo que 2018 seja "o ano da reinvenção" que "é mais do que mera reconstrução material e espiritual".

"Reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança, que é mais do que estabilidade governativa, finanças sãs, crescente emprego, rendimentos. É ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades", exigiu.



pub