Política PCP valoriza "avanços" no país mas diz serem "limitados e insuficientes"

PCP valoriza "avanços" no país mas diz serem "limitados e insuficientes"

O PCP valorizou este domingo "os passos e avanços" que o país deu com o Governo PS, mas afirmou serem "limitados e insuficientes", sendo necessário romper com "os constrangimentos externos" e "assumir uma política patriótica e de esquerda".
PCP valoriza "avanços" no país mas diz serem "limitados e insuficientes"
Lusa 25 de dezembro de 2016 às 22:16

Reagindo à mensagem de Natal do primeiro-ministro, António Costa, Jaime Toga, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP afirmou no Porto que houve este ano "aspectos positivos", como os manuais escolares gratuitos para o 1.º ciclo do ensino básico e o alargamento do ensino pré-escolar, contudo, "evidencia limitações e insuficiências, que não permitem resposta aos problemas de fundo que existem no país".

 

"Não será possível resolver os problemas do país sem romper com os constrangimentos externos, sem romper sem os constrangimentos da União Europeia, do euro, sem romper com a submissão do capital monopolista", disse, acrescentando ser necessário "assumir uma política patriótica e de esquerda que dê respostas às necessidades do pais".

Segundo Jaime Toga, o PCP "interveio" e "contribuiu de forma ativa e empenhada" para "os aspectos positivos, decorrentes da nova fase da vida política nacional", mas estes são "insuficientes e limitados" e por isso "o país precisa que se vá mais longe".

 

O comunista defendeu "mais e melhores serviços públicos", em áreas como a saúde, educação e protecção social, bem como a "promoção e valorização da produção nacional, do trabalho e dos trabalhadores, por via do combate à precariedade, e do aumento geral dos salários".

Jaime Toga reafirmou o empenho "que o PCP tem em que o salário mínimo nacional possa ser de 600 euros no próximo ano".

 

"Entendemos que não só é necessário como é possível" concretizar uma política "patriótica e de esquerda que assuma a soberania nacional, o seu exercício, a defesa e o primado interesse do povo português e do país", frisou.

 

Jaime Toga disse ainda ser possível concretizar esta política "por via da luta dos trabalhadores e das populações, em defesa dos seus interesses e direitos, por via da convergência de democratas e patriotas que estão séria e convictamente empenhados na resolução dos problemas do país, mas também por via do reforço do PCP".

 

Face à mensagem do primeiro-ministro, que considerou que o maior défice nacional é o do conhecimento e defendeu o combate à pobreza e à precariedade em nome de uma "sociedade decente", o PCP pretendeu "reafirmar a sua determinação", deixando "uma mensagem de possibilidade e de confiança numa política alternativa que rompa com esses constrangimentos externos" e "dê resposta aos reais interesses e necessidades do país".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.12.2016

Olha la oh canhoto se o CONSTRANGIMENTO e como se fosse uma pedrinha(calhau enorme)no sapato,encontra-se uma solucao:andar descalco.Agora o q eu tenho visto do vosso lado nao e arrumar as pedrinha da frente do caminho,pelo contrario,sois vos q mais pedrinha para a frente do caminho carregam,ovelhas.

pub
pub
pub
pub