Política PCP defende solução governativa que permitiu reposição do feriado do Dia da República

PCP defende solução governativa que permitiu reposição do feriado do Dia da República

O secretário-geral do PCP saudou a reposição do feriado de 5 de Outubro e lembrou o contributo decisivo do PCP para a actual solução governativa liderada pelo PS, que considerou fundamental para a reconquista de direitos dos trabalhadores.
PCP defende solução governativa que permitiu reposição do feriado do Dia da República
Lusa 05 de Outubro de 2016 às 18:53

"Se hoje é um dia de júbilo pelo feriado reconquistado, a passagem do primeiro ano da nova fase da vida política nacional, que a derrota eleitoral da coligação PSD/CDS em 4 de Outubro [de 2015] permitiu, é também um momento expressivo que não pode deixar de ser saudado, pelo que tem, este período, de significativo da história e luta da reconquista de outros direitos usurpados no quadro do chamado Programa de Intervenção, que nós, muito justamente, designamos de Pacto de Agressão", disse Jerónimo de Sousa.

 

"Hoje alguns estão a chegar-se à frente, a dizer que foram eles que descobriram esta solução, mas na noite das eleições - perante um PSD e CDS que não reconheciam a derrota, perante um PS que estava encolhido e com uma ideia de derrota, com o BE esfusiante pelo seu resultado, mas considerando que a direita tinha vencido -, só uma força, o PCP, disse: é possível afastar PSD e o CDS do governo; é preciso uma outra solução política", acrescentou o líder comunista, que falava para centenas de militantes do PCP num comício em Almada.

 

No discurso que encerrou o comício na Incrível Almadense, Jerónimo de Sousa, a par das muitas críticas que fez à anterior governação PSD/CDS, reiterou também algumas posições políticas do PCP, como a necessidade de renegociação da dívida pública, bem como a necessidade de Portugal sair da moeda única europeia, que considerou ser a única de Portugal poder voltar a ter crescimento económico significativo.

 

Jerónimo de Sousa lembrou também que a posição do PCP sobre o Orçamento do Estado para 2017 será tomada em função das propostas que forem apresentadas no documento e voltou a defender um "aumento extraordinário de dez euros" para todas as pensões de reforma, assegurando que se trata de uma medida para promover a justiça social.

 

"O ano passado, o que estávamos a discutir não era a possibilidade de aumento das reformas e pensões; o que estávamos a discutir era a proposta que o PSD e o CDS tinham feito chegar a Bruxelas, para um corte de 500 milhões de euros na Segurança Social", lembrou.

 

"É um exemplo de que valeu a pena esta solução política [governo do PS com apoio parlamentar do PC e do BE] para os direitos dos trabalhadores e reformados", defendeu Jerónimo de Sousa.

 

No comício em Almada, Jerónimo de Sousa garantiu ainda que o PCP vai continuar a lutar, entre outras prioridades, por uma política de valorização das pensões mais baixas, contra a precariedade no trabalho, pela revogação de algumas normas da legislação laboral, descongelamento de carreiras, devolução dos direitos dos trabalhadores da administração pública e pela valorização do trabalho.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.10.2016


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

Montrond 05.10.2016

"PCP defende solução governativa que permitiu reposição do feriado do Dia da República"... Claro que o PCP tem sido uma mais-valia para o Governo de António Costa. E ainda bem. No dia em que o PCP ou o Bloco de Esquerda tirarem o tapete a António Costa, equivaleria a entregarem, literalmente, o ouro ao bandido. Neste caso, o bandido, sem aspas, seria o famigerado Pedro Passos Coelho, que só almeja por um novo resgate, para poder ressuscitar o ex-governo pàfioso, a que presidiu, e aprofundar a sua política da austeridade de criar bicho. Esse sujeito encasquetou que é o novo "messias" que quer "salvar" Portugal, custe o que custar. Que não se esqueça que os candidatos a "messias" costumam acabar espetados numa cruz. Será isso que ele quer?

Anónimo 05.10.2016

Coitado:tem fucinho de capones rural,mas tem manapolas de LADRAO.

pub
pub
pub
pub