Segurança Social PCP diz que aumento de dez euros nas pensões "já esteve mais longe"

PCP diz que aumento de dez euros nas pensões "já esteve mais longe"

Sobre as negociações com o executivo do PS, o líder parlamentar do PCP contrariou a ideia de haver definidas à partida "linhas vermelhas" a partir das quais a aprovação do OE2017 ficasse em risco por parte dos comunistas.
PCP diz que aumento de dez euros nas pensões "já esteve mais longe"
Miguel Baltazar
Lusa 11 de outubro de 2016 às 18:07
O líder da bancada parlamentar comunista afirmou esta terça-feira, 11 de Outrubro, que o esclarecimento sobre o fim da sobretaxa de IRS em 2017 cabe ao Governo, acrescentando que o aumento de dez euros em todas as pensões já esteve "mais longe".

João Oliveira (na foto), no encerramento das jornadas parlamentares comunistas, em Matosinhos, sem querer traçar "linhas vermelhas" para a negociação do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), defendeu que o financiamento da valorização geral de salários e pensões "não tem de ter como contrapartida o aumento de impostos indirectos", podendo antes encontrar-se "nos bolsos de quem acumula fortuna".

"Em relação à posição do Governo, terá de ser o Governo a transmiti-la. Pela parte do PCP, sobre a matéria da sobretaxa, já deixámos clara a nossa posição de que devia acabar imediatamente. Apresentámos propostas no sentido de considerar uma redução que garantisse a sua eliminação para a generalidade das famílias portuguesas o mais rapidamente possível e foi aprovada uma lei que prevê que em Janeiro de 2017 seja eliminada", afirmou.

O primeiro-ministro socialista, António Costa, afirmou que a sobretaxa de IRS vai desaparecer totalmente em 2017 e que a carga fiscal será mais reduzida para a generalidade das famílias, dando-se prioridade a um desagravamento dos impostos sobre o trabalho, mas sem esclarecer concretamente se a 1 de Janeiro, durante a sua visita à China.

"Em relação às pensões, diria que convicção e persistência não nos falta. Vale a pena lembrar que, já no OE2016, o PCP afirmou com muita clareza que não ficava satisfeito com uma solução como a que foi assumida que passou apenas pelo descongelamento do mecanismo de actualização automática", continuou o deputado do PCP, referindo-se à proposta comunista de aumentar todas as pensões em 10 euros em 2017.

Relativamente à hipótese de aquela medida ou outras serem compensadas por aumentos de impostos indirectos, como os do tabaco, álcool ou alimentação considerada nociva, João Oliveira manifestou uma "perspectiva exactamente oposta", pois tal significaria a penalização de muitos daqueles que em boa parte beneficiariam do aumento das pensões.

"Temo-nos batido por esse aumento e poderia dizer que já estivemos mais longe de o alcançar. No OE2016, ficámos mais longe porque a justeza da nossa proposta vai-se tornando mais evidente", continuou, sublinhando que "os recursos financeiros têm de ser encontrados não nos bolsos de quem trabalha, mas nos bolsos de quem acumula fortuna, lucros e, sobretudo, nos lucros dos grandes grupos económicos e do grande capital".

Sobre as negociações com o executivo do PS, o líder parlamentar do PCP contrariou a ideia de haver definidas à partida "linhas vermelhas" a partir das quais a aprovação do OE2017 ficasse em risco por parte dos comunistas.

"Estamos a discutir, a fazer o exame comum deste OE2017, tal como para 2016, batendo-nos por um conjunto de propostas que consideramos indispensáveis na resposta aos problemas dos trabalhadores e do povo e que o país enfrenta e as condições necessárias ao desenvolvimento nacional. Não fazemos essa discussão na base de linhas vermelhas ou qualquer outra forma de chantagem. Esse discurso das linhas vermelhas muitas vezes significa que se aceita tudo o resto desde que alguma coisa esteja garantida", concluiu.



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos Há 6 dias

Na quarta BANCARROTA que se avizinha os pensionistas irão PERDER METADE DAS SUAS PENSÕES DE REFORMA.
Ninguém mais vai vestir a massa numa REPUBLICA DE LADRÕES como o é Portugal.
Um povo como o Tuga que adora votar nos bandos de ladrões sentados na Assembleia da Republica e adora penhorar e endividar as futuras gerações MERECE PERDER AS PENSÕES DE REFORMA E MORRER NA MISÉRIA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015.

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

Bela Há 6 dias

Tenho saudades do Passos e a sua austeridade que me faz tao bem a pele. Ha gente muitk masoquista

Fernando Maio Há 6 dias

O srº Zarco pela idade deve-se esquecer o que a natural, este governo aumentou o,60 e o que lhe roubou o anterior não diz?

Diogo A. Há 6 dias

Estivesse um governo da "direita", 20 Euros de aumento seriam o mínimo tolerável. Estando lá quem está, 10 Euros já são um sonho admissível. Sinais dos tempos.

ver mais comentários
pub