Segurança Social PCP sobre os recibos verdes: "É uma precipitação anunciar uma proposta que não está fechada"

PCP sobre os recibos verdes: "É uma precipitação anunciar uma proposta que não está fechada"

Os comunistas reclamam para si os créditos da revisão do regime de descontos dos recibos verdes. Sobre o possível fim da isenção de TSU a quem acumula salário com trabalho independente responde que é uma precipitação anunciar propostas que não estão fechadas.
PCP sobre os recibos verdes: "É uma precipitação anunciar uma proposta que não está fechada"
Bruno Simão
Elisabete Miranda 19 de Outubro de 2016 às 17:32

As picardias entre Bloco de Esquerda (BE) e o PCP somam e seguem, e, desta vez o pretexto é a revisão do modelo de descontos dos trabalhadores independentes. Depois de o BE ter vindo esta terça-feira fazer um balanço público do processo negocial com o Governo, os comunistas vieram reclamar o mérito da iniciativa para si. Sobre o segundo aspecto que está a ser ponderado, e que passa por obrigar alguns trabalhadores por conta de outrem que também passam recibos verdes a pagar TSU sobre a prestação de serviços, lançam uma recriminação à "precipitação" do BE.

 

Em declarações ao Negócios, Rita Rato afiança que "a revisão do modelo de descontos dos trabalhadores independentes (TI) foi introduzida na proposta de Orçamento do Estado para 2016 por proposta do PCP". Como entretanto não houve desenvolvimentos de maior, a proposta de OE para 2017 a intenção genérica volta a constar, sob pressão do BE, mas o PCP garante que foi o primeiro a pressionar.

 

A intenção dos comunistas, diz Rita Rato, é que se "crie um regime mais justo que salvaguarde todo o tipo de situações", daí que a proposta tenha de ser "avaliada no seu todo". E, como por agora, ainda não há uma proposta por parte do Governo, não há nada para avaliar nem para comentar. Nem sequer se é possivel que haja TI que no fim serão obrigados a descontar mais, como admitiu recentemente o secretário de Estado do Orçamento. 

 

Esta terça-feira à noite, através de um comunicado às redacções, o BE fez um ponto de situação das suas negociações com o Governo sobre esta matéria (o PCP não quis integrar os grupos de trabalho sectoriais, exigindo negociações directas com o Governo) e adiantou que estavam a fazer pressão para que se acabe com a isenção de TSU que actualmente é concedida a quem acumula salário com recibos verdes – desde que haja uma desproporção grande entre os dois valores.

A medida é bem vista pelo Governo, que já a tinha inscrito genericamente no seu programa eleitoral, mas o Ministério de Vieira da Silva não se compromete.

 

Rita Rato, pelos comunistas, não quer comentar esta intenção. E considera que "é  uma precipitação anunciar uma proposta que não está fechada".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Nem sempre as desavencas familiares acabam bem.Felizmente que nao e esse o caso aqui,aqui e mais para mostrar o tamanho do que alimenta uma cria.

Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda

PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO AOS FP:


- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

Anónimo Há 3 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

pub
pub
pub
pub