Emprego PEC: Governo quer assinar adenda ao acordo na sexta-feira

PEC: Governo quer assinar adenda ao acordo na sexta-feira

Os patrões concordaram com a redução do PEC, mas a UGT garantiu que não assinará a adenda caso a CGTP seja envolvida nas negociações. O Governo convoca todos os parceiros sociais para a reunião.
PEC: Governo quer assinar adenda ao acordo na sexta-feira
Miguel Baltazar
Catarina Almeida Pereira 30 de janeiro de 2017 às 15:37

O Governo quer assinar a adenda ao acordo de concertação social já na sexta-feira. A ordem de trabalhos enviada a todos os parceiros sociais – incluindo a UGT e a CGTP – prevê como primeiro ponto da ordem de trabalhos da reunião de concertação social a "assinatura da adenda".

O objectivo da referida adenda é formalizar a substituição do desconto na taxa social única pela redução do pagamento especial por conta e assim corrigir o acordo, tal como anunciou na semana passada o primeiro-ministro.

O objectivo é superar a crise gerada quando o PSD revelou que ia juntar os seus votos aos do PCP e aos do Bloco de Esquerda para revogar o desconto na TSU, tal como acabou por fazer na semana passada. A principal contrapartida à descida do salário mínimo substituída pela redução do PEC.

Contudo, depois da polémica no Parlamento a questão está a gerar polémica entre os parceiros sociais.

Na sexta-feira a UGT veio dizer que não assinará a adenda que corrige o acordo caso a CGTP seja envolvida nas negociações.

"A UGT participará na discussão de um aditamento com as quatro confederações empresariais e com o Governo. Com mais ninguém. Se entretanto alguém desejar juntar-se ao grupo, primeiro que o assine e depois que entre cá para dentro para discutir", disse Carlos Silva, em conferência de imprensa.

Se não "estamos a beneficiar o infractor", acrescentou.


A CGTP aconselhou a UGT a ter cuidado nas suas intervenções, sublinhando que a proposta do PEC terá sempre de ser discutida.

"É inadmissível que alguns procurem condicionar o diálogo democrático à participação de outras organizações demonstrando ou indiciando saudades da câmara corporativa que existia antes do 25 de Abril", reagiu Arménio Carlos.


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.01.2017

XUXALISTAS: Pedofilia, BANCARROTAs, LADRÕES44, corrupção, pontes caídas, facadas, papapensoes ...

Anónimo 30.01.2017

Ainda há casmurros que dizem que ganharam as eleições... ele há com cada nhurro ! Irra !

Anónimo 30.01.2017

Com o Socrates a seguir ao PEC veio a BANCARROTA! O Trump ganhou eleições, o facadas perdeu eleições, onde está a democracia?

Enquanto a dívida submerge o país... 30.01.2017

Está tudo bem! Não se passa nada! Siga a festa! Desta vez já nem o povo enganaram... pois perderam vergonhosamente as eleições! Quem disse que este governo não impôs uma ditadura ao país?!!

pub
pub
pub
pub