Economia Peditório feito há seis anos em Lisboa não chegou ao destino

Peditório feito há seis anos em Lisboa não chegou ao destino

O jornal Público conta que a recolha de donativos nesta altura do ano é uma prática instituída na Igreja Católica portuguesa e que a dúvida sobre o seu destino não se aplica apenas ao caso do Mindelo, Cabo Verde.
Peditório feito há seis anos em Lisboa não chegou ao destino
Negócios 14 de abril de 2017 às 10:36

O jornal Público avança esta sexta-feira, 14 de Abril, que o resultado do peditório anual realizado pela Diocese de Lisboa antes da Páscoa de 2011 não chegou ao destino, a Diocese do Mindelo em Cabo Verde.


Em causa estão mais de 245 mil euros recolhidos para ajudar "igrejas mais pobres", no âmbito da chamada Renúncia Quaresmal, que terão sido distribuídos por outras instituições, apurou um trabalho de investigação do periódico.

O Patriarcado alega que parte da verba serviu para custear a frequência de seminaristas cabo-verdianos em Portugal, mas no Mindelo nada se recebeu, directamente, dos peditórios feitos em 2011.


O jornal conta que a recolha de donativos nesta altura do ano é uma prática instituída na Igreja Católica portuguesa e que a dúvida sobre o seu destino não se aplica apenas ao caso do Mindelo.  


O ecónomo do Patriarcado de Lisboa, apontado como responsável pela aplicação das verbas e foi também denunciado por "alegada burla qualificada na Cáritas Diocesana de Lisboa", actualmente em investigação.


As contas das renúncias quaresmais posteriores a 2011, superiores a 200 mil euros em cada ano, também não deverão bater certo, segundo o Público.

Em seis anos, duas instituições - a Casa do Gaiato de Lisboa, e o Instituto da Sãozinha de Alenquer - receberam quase um terço do valor total arrecadado.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 14.04.2017

MAIS UM MILAGRE HOMOSSEXUAL.

Anónimo 14.04.2017

A igreja católica é prodiga em milagres nada de novo .

pub
pub
pub
pub