Finanças Públicas Pedro Filipe Soares: “Governo não tinha mandato para fazer cativações deste nível”

Pedro Filipe Soares: “Governo não tinha mandato para fazer cativações deste nível”

Em entrevista ao Público e à Renascença, o líder da bancada parlamentar do Bloco de Esquerda diz que não é aceitável que Centeno seja o Ronaldo do Ecofin "à custa das cativações".
Pedro Filipe Soares: “Governo não tinha mandato para fazer cativações deste nível”
Bruno Simão/Negócios
Negócios 27 de julho de 2017 às 08:56

Para Pedro Filipe Soares, a utilização de cativações em 2016 foi excessiva e o Governo não tinha mandato político para ter recorrido tanto a esse mecanismo. "O que dissemos ao Governo é que nós ficámos desconfortáveis com o Governo ter feito uma execução orçamental para a qual não tinha mandato político para fazer. Não tinha mandato político para fazer cativações deste nível", afirmou ao diário e à rádio.

 

Embora defenda que as cativações "devem existir", argumenta que elas devem "ser limitadas". E diz que a responsabilidade é daquilo a que chama "paranóia do défice". "Se tivermos tido confiança, não precisávamos de ter feito cativações como as que foram feitas, não precisávamos sequer de ter feito o perdão fiscal. Tudo isso existiu porque se estava a instalar o pânico de não ser alcançada a meta de défice."

 

Ainda assim, o BE não se compromete com a introdução no orçamento de uma norma que limite as cativações adicionais. Que consequências tirará então o partido? "A força que o Bloco tem é na Assembleia. Esse papel está limitado aos 19 deputados que temos", diz Pedro Filipe Soares. "Ter um défice para Bruxelas ver, para depois termos problemas no nosso país, não é aquilo que aceitamos. E se Centeno quer ser o Ronaldo do Ecofin à custa das cativações dos serviços, não é o modelo que consideramos aceitável."

 

Sobre as negociações em torno do OE 2018, o deputado admite que estão mais atrasadas do que no ano passado. O Governo ainda não apresentou nenhuma proposta e a saída dos secretários de estado dos assuntos fiscais e da administração pública ainda travou mais o progresso.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 27.07.2017

Ele é o Ronaldo da TRETA!!!
Agora até os reembolsos do IRS são os culpados do aumento do défice.
Vai contar histórias para outro lado

pub
pub
pub
pub