Política Pedro Passos Coelho garante que PSD terá candidatura própria a Lisboa

Pedro Passos Coelho garante que PSD terá candidatura própria a Lisboa

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, garantiu este sábado que os sociais-democratas terão uma candidatura própria à Câmara de Lisboa, a qual será apresentada "na altura certa" e sem coligação com o CDS.
Pedro Passos Coelho garante que PSD terá candidatura própria a Lisboa
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 14 de janeiro de 2017 às 21:31

"Em muitos municípios concorremos coligados [com o CDS] há outros em que não houve coligação. É o caso de Lisboa é um município onde não há coligação e o PSD não deixará de apresentar a sua candidatura à capital de distrito", afirmou.

Pedro Passos Coelho falava na Covilhã, distrito de Castelo Branco, à entrada para o "jantar de reis" organizado pela Comissão Política local.


Questionado sobre as autárquicas e o caso particular de Lisboa, o líder do PSD lembrou que apesar da "relação preferencial com o CDS" a candidatura de Assunção Cristas não nasceu de um entendimento com o PSD, pelo que também este partido terá candidato próprio.


"O PSD apresentará a seu tempo a sua candidatura também para Lisboa", salientou, vincando que o partido "continua empenhado em fazer escolhas boas".


Pedro Passos Coelho reiterou ainda que o PSD "não subscreve um processo de nacionalização para o novo banco" e lembrou o país já tem um banco público, o qual considera que não tem sido bem tratado pelo Governo.

"Sinónimo disso é termos entrado o novo ano com a administração da Caixa Geral de Depósitos em aberto", disse.


Segundo referiu, o PSD também não alterará o posicionamento já tornado público relativamente à Taxa Social Única (TSU) e considerou ainda que há "desentendimentos na maioria" no que concerne a essa matéria.


"A maioria é que está desentendida quanto à TSU. O PSD não faz parte do Governo não esteve a fazer negociações. É uma matéria a que o PSD é alheio, não temos rigorosamente nada a ver com os compromissos que o Governo e a maioria estabeleceram nessa matéria. O PSD já disse o que tinha a dizer", afirmou.


A medida está prevista no acordo de concertação social, que consagrou o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), mas tanto o Bloco de Esquerda como o PCP admitiram levá-la ao Parlamento, caso o Governo insista na redução da TSU para as empresas como forma de compensá-las pelo aumento do SMN.


O presidente do PSD advertiu na sexta-feira o PS para não contar com o seu voto caso os partidos que completam a maioria de esquerda peçam a apreciação parlamentar do diploma que reduz a TSU das empresas.


Ao discursar num jantar organizado pela distrital social-democrata do Algarve, Pedro Passos Coelho disse que a opção do Executivo vem tornar regra uma medida que o anterior Governo PSD/CDS-PP adoptou de forma temporária, em vez de seguir a solução preconizada pelos sociais-democratas de fazer depender os aumentos do salário mínimo da produtividade das empresas.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
LOLOLOLOLOL Há 1 semana

LOLOLOLOLOL

Cantaropartido Há 1 semana

Mais um tiro no porta aviões

atira-te ao mar Há 1 semana

e nada, nada

vai trabalhar aldrabão Há 1 semana

Não passas de um aldrabão

ver mais comentários
pub