Conjuntura Pedro Ferraz da Costa: "Temos gestores fracos e bem pagos"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Pedro Ferraz da Costa: "Temos gestores fracos e bem pagos"

Para Ferraz da Costa, é decisivo que o mercado de trabalho português seja mais flexível. Porém, o presidente do Fórum para a Competitividade reconhece que também existe um problema do lado da gestão.
Pedro Ferraz da Costa: "Temos gestores fracos e bem pagos"
Miguel Baltazar
Nuno Aguiar 13 de Outubro de 2016 às 00:01

No dia em que o Fórum para a Competitividade organiza uma conferência sobre estratégias de crescimento da economia portuguesa, o seu presidente, Pedro Ferraz da Costa, sublinha a necessidade de continuar a percorrer o caminho das

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião54
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado manuelfaf 13.10.2016

Concordo plenamente com a sua opinião. Temos um país com gestores fracos e bem pagos.
Num país onde temos ao nível operacional um dos salários mais baixos da Europa e por outro lado dos gestores mais bem pagos, parece-me que a culpa da fraca produtividade não esteja do lado da costureira, do sapateiro ou do operador de torno.
Depois temos enraizado na cultura dos nossos gestores, que os bens da empresa são bens pessoais e que a esse nível não há limites. Quantos têm carros topo de gama e pagam mais por um pneu do que num salário mensal. O recheio da casa, o carro do filho, o combustível para uso pessoal, almoços, etc, etc, são pagos pela empresa. E estas despesas são consideradas como essenciais. Não há separação da propriedade e isso causa conflitos.
Depois temos também ao nível do trabalho, um enorme capacidade perversa. Os nossos gestores (e restante população também) têm uma enorme capacidade para dar a volta ao sistema, de encontrar mecanismos para esconder, contornar os problemas. Existe um dispêndio de energia nestas tarefas claramente superior à que seria despendida em efectivamente resolver o problema e antecipar situações futuras. O agora é que conta, e amanhã logo se vê.
Infelizmente a ideia muitas vezes é reduzir custos de forma imediata e irracional e isso paga-se bem.

comentários mais recentes
correiaalbert Há 3 semanas

Bem analisado. Ser administrador em Portugal é a possibilidade de fazer carreira e refúgio através das amizades

pertinaz 14.10.2016

PEDRO FERRAZ DA COSTA

EXEMPLO ACABADO DE UM INCOMPETENTE VAIDOSO

A SOLUÇÃO TALVEZ SEJA ENTREGAR TUDO AOS ESPANHÓIS

ASSIM FICAMOS TODOS NA MÓ DE BAIXO

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Malhadinhas 13.10.2016

Este snr. tem ocupado lugares de topo, no País, em situações empresariais. Qual é o contributo que nos deixa para o fortalecimento das gestões ?

pertinaz 13.10.2016

SIM, ALGUNS

A COMEÇAR POR TI

ÉS UMA VERGONHA PARA A FAMÍLIA

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub