Economia Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"

Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este sábado e em Coimbra que acredita que "já está tudo esclarecido" relativamente à contabilização das vítimas mortais do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, Leiria, em Junho passado.
Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de julho de 2017 às 22:04

"Creio que isso já está tudo esclarecido pela Autoridade Nacional de Protecção Civil e pelo Ministério da Justiça", disse o primeiro-ministro, questionado pelos jornalistas sobre uma notícia do Expresso que refere que a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indirectas e que houve pelo menos 65 mortos.

 

O líder do executivo escusou-se a prestar mais declarações aos jornalistas, que confrontaram António Costa com a notícia do semanário, quando o primeiro-ministro chegava a um evento organizado pela Federação de Coimbra do PS.

 

Segundo o jornal, a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indirectas. De acordo com o semanário, os critérios para elaborar a lista oficial das vítimas mortais do incêndio "excluem mortes indirectas", designadamente a de uma mulher que foi atropelada quando fugiu das chamas.

 

O semanário refere que pediu a lista oficial de mortos ao Ministério da Justiça, tendo recebido a indicação de que a identificação das vítimas mortais era "informação emergente da actividade do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e da Polícia Judiciária, integrada no inquérito-crime do Departamento de Investigação e Acção Penal da Comarca de Leiria, que se encontra em segredo de justiça".

 

Em reacção à notícia, a Autoridade Nacional de Protecção Civil reiterou hoje que o incêndio do mês passado em Pedrógão Grande fez 64 vítimas mortais, em "consequência directa" do fogo, e que outros eventuais casos não se integram nos critérios "definidos".

 

Os critérios que foram identificados para apurar as vítimas do incêndio são "mortes por inalação e queimaduras", resultantes do fogo, adiantou à agência Lusa a adjunta nacional de operações Patrícia Gaspar.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.07.2017

Desde a trovoada seca que, com ajuda investigação da PJ, (até encontrou "criminoso" pinheiro atingido pelo raio que o partiu), provocou incêndio com retroatividade de 3 horas, ficou logo tudo esclarecido, até razão porque não houve um ataque inicial musculado com aviões pesados para evitar as mortes

DJ viajante 23.07.2017

Morreram 64,65,75 ou 80 que diferença faz. Estamos esclarrcidos. Assunto encerrado. Que se danem. Viva Costa o maior facinora desde o 25 de Abril

Camponio da beira 23.07.2017

pois, há 64 mortos. Nacionais? Não há estrangeiros? têm a certeza?

bruno 23.07.2017

Ninguém ainda percebeu o que se passou mas parece que já foi tudo esclarecido..! Que gd palhaço nos saiu na rifa, só ao nível do "passarinho de Alvalade"! Aliás, o discurso e forma de actuar são muito similares. Eu quero saber como foi possível isto acontecer!!

ver mais comentários
pub