Economia Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"

Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este sábado e em Coimbra que acredita que "já está tudo esclarecido" relativamente à contabilização das vítimas mortais do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, Leiria, em Junho passado.
Pedrógão Grande: António Costa acredita que "já está tudo esclarecido"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de julho de 2017 às 22:04

"Creio que isso já está tudo esclarecido pela Autoridade Nacional de Protecção Civil e pelo Ministério da Justiça", disse o primeiro-ministro, questionado pelos jornalistas sobre uma notícia do Expresso que refere que a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indirectas e que houve pelo menos 65 mortos.

 

O líder do executivo escusou-se a prestar mais declarações aos jornalistas, que confrontaram António Costa com a notícia do semanário, quando o primeiro-ministro chegava a um evento organizado pela Federação de Coimbra do PS.

 

Segundo o jornal, a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indirectas. De acordo com o semanário, os critérios para elaborar a lista oficial das vítimas mortais do incêndio "excluem mortes indirectas", designadamente a de uma mulher que foi atropelada quando fugiu das chamas.

 

O semanário refere que pediu a lista oficial de mortos ao Ministério da Justiça, tendo recebido a indicação de que a identificação das vítimas mortais era "informação emergente da actividade do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e da Polícia Judiciária, integrada no inquérito-crime do Departamento de Investigação e Acção Penal da Comarca de Leiria, que se encontra em segredo de justiça".

 

Em reacção à notícia, a Autoridade Nacional de Protecção Civil reiterou hoje que o incêndio do mês passado em Pedrógão Grande fez 64 vítimas mortais, em "consequência directa" do fogo, e que outros eventuais casos não se integram nos critérios "definidos".

 

Os critérios que foram identificados para apurar as vítimas do incêndio são "mortes por inalação e queimaduras", resultantes do fogo, adiantou à agência Lusa a adjunta nacional de operações Patrícia Gaspar.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Desde a trovoada seca que, com ajuda investigação da PJ, (até encontrou "criminoso" pinheiro atingido pelo raio que o partiu), provocou incêndio com retroatividade de 3 horas, ficou logo tudo esclarecido, até razão porque não houve um ataque inicial musculado com aviões pesados para evitar as mortes

DJ viajante Há 3 semanas

Morreram 64,65,75 ou 80 que diferença faz. Estamos esclarrcidos. Assunto encerrado. Que se danem. Viva Costa o maior facinora desde o 25 de Abril

Camponio da beira Há 3 semanas

pois, há 64 mortos. Nacionais? Não há estrangeiros? têm a certeza?

bruno Há 3 semanas

Ninguém ainda percebeu o que se passou mas parece que já foi tudo esclarecido..! Que gd palhaço nos saiu na rifa, só ao nível do "passarinho de Alvalade"! Aliás, o discurso e forma de actuar são muito similares. Eu quero saber como foi possível isto acontecer!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub