Economia Pedrógão Grande: PJ deverá acusar Protecção Civil, GNR e Ascendi

Pedrógão Grande: PJ deverá acusar Protecção Civil, GNR e Ascendi

A Polícia Judiciária está prestes a concluir a investigação ao incêndio de Pedrógão Grande, que provocou 64 mortos. A acusação de negligência deverá chegar em Outubro e nessa altura deverão ser constituídos diversos arguidos, escreve o Correio da Manhã.
Pedrógão Grande: PJ deverá acusar Protecção Civil, GNR e Ascendi
Reuters
Negócios 22 de setembro de 2017 às 12:56

A investigação da Polícia Judiciária ao incêndio de Pedrógão Grande está numa fase muito adiantada e deverá resultar em diversas acusações de homicídio por negligência, escreve o Correio da Manhã esta sexta-feira. Os investigadores da PJ, que estão a ser acompanhados pelo Ministério Público de Coimbra, já ouviram mais de 100 testemunhas que confirmam a sucessão de falhas que resultaram nas 64 mortes.

 

De acordo com o jornal, é com base nesses testemunhos que a PJ conclui que houve negligência de diversas entidades, desde os meios de socorro e Protecção Civil, passando pelos agentes da GNR que encaminharam automobilistas para a "estrada da morte", a Nacional 236-1, onde morreram 47 pessoas. Esses agentes ainda não foram interrogados.

 

A investigação deverá ainda visar a Ascendi, com responsabilidades na limpeza de bermas das auto-estradas, através das quais o fogo de propagou.

 

A PJ deverá concluir que não houve mão criminosa no fogo, seguindo as indicações dos peritos que apontam para causas naturais – terá sido um raio que caiu numa árvore a provocar o incêndio.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
alblopes 22.09.2017

Vamos lá ver se seu entendo: afinal o director-geral da PJ não decretou de imediato que a causa do incêndio foi um raio que chegou fogo a um eucalipto ou outra árvore no meio do mato? Afinal, o frete que pretendeu fazer ao indiano estava por demais evidente e não pegou? E agora a pergunta:esse director-geral da PJ ainda continua em funções? E o indiano, também?

Mr.Tuga 22.09.2017

Wellcome to tugaLÂndia....

A PJ "acusa" tudo e todos.... Excepto, pasmem-se!, o INCENDIARIO! O criminoso ou porc*o sebento do desleixado que ateou os fogos continua por ai e provavelmente ainda lhe vai calhar parte da indeminização e dos PUditórios....
TRAMPA sitio....

Dono dos Burros 22.09.2017

ah ah ah deixem-me rir. Esta "polícia" já devia ter sido desmantelada juntamente com as associações de espiões. Já agora incluíam-se também no rol. Sempre dava alguma credibilidade à acusação. Quem ouviu dizer que não era crime, logo no início, não esperava outra coisa. Que venha um raio que os leve

Anónimo 22.09.2017

Destruir para reinar

Há muito que Portugal deixou de ter as formigas que tinha e que tão úteis eram ao País de que tanto beneficiava. Desde então passaram a ouvir-se cigarras, cigarras, e mais cigarras, que fazem sentir que o tempo mudou e para o qual parece não haver total preparação...

pub