Economia Pedrógão: Presidente sugere que se explique como e quem está a gerir apoios

Pedrógão: Presidente sugere que se explique como e quem está a gerir apoios

O Presidente da República aconselhou que sejam dadas explicações aos portugueses sobre como e quem está a gerir as verbas para apoiar as vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, que deflagraram em Junho.
Pedrógão: Presidente sugere que se explique como e quem está a gerir apoios
Cofina Media
Lusa 05 de setembro de 2017 às 16:51
Em declarações aos jornalistas, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que lhe foi dada uma explicação, em 17 de Agosto, por responsáveis do Governo e das autarquias, que achou que "tinha lógica" e "era bom" os portugueses terem essa informação.

Questionado sobre se é ao Governo que cabe dar essas explicações, o Presidente da República lembrou que existe "uma unidade de missão" a funcionar e coordenadores do trabalho no terreno, apontando, dessa forma, que poderia ser esta a entidade indicada para o fazer.

"Era bom que os portugueses soubessem quem gere o quê", disse o chefe de Estado, para quem "deve ser explicado aos portugueses que só uma parte dos fundos é gerida pelo Estado e a outra é por outras entidades sociais, por escolha da sociedade civil".

A Unidade de Missão para o Interior, sediada em Pedrógão Grande, é chefiada pelo ex-presidente da Câmara de Proença-a-Nova João Paulo Catarino, uma escolha do primeiro-ministro, António Costa, anunciada em Julho.

"É possível a quem tem responsabilidades na Unidade de Missão dar esses esclarecimentos", afirmou o chefe de Estado, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Centro de Apoio Social, em Marvila.

Em 17 de Agosto, o Presidente da República e o primeiro-ministro fizeram uma série de reuniões em Pedrógão Grande e outros concelhos afectados pelos incêndios, altura em que Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma explicação que confessou esta terça-feira, 5 de Setembro, lhe pareceu esclarecedora.

O próprio chefe de Estado ensaiou uma explicação, ainda que sumária, sobre a gestão das verbas, incluindo de donativos de cidadãos.

"O Estado gere dois mil e tal milhões de euros e há outras entidades que gerem fundos canalizados pelo estrangeiro" e de verbas nacionais, explicou.

"A mim foi-me dada uma explicação e eu achei que tinha lógica", disse ainda Marcelo Rebelo de Sousa, insistindo que era "bom que os portugueses soubessem quem gere o quê".

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de Junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

(Notícia actualizada às 17:49 com mais informação)



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ZédaAustralia Há 2 semanas

O sr Presidente tem toda a razao, milhares de portugueses contribuiram mas parece que o dinheiro foi parar a um saco sem fundo...a vigarice habitual ta'-se mesmo a ver!

comentários mais recentes
oluapaxe Há 2 semanas

Ó Sr. Presidente mais uma vez pode dizer "..estão o fazer o melhor que podem fazer...."

Anónimo Há 2 semanas

A meu ver, perante tamanha vigarice, o PR estaria bem se adiasse as eleições até ser encontrado os criminosos (por negligência) e eventuais ladrões dos donativos.

Anónimo Há 2 semanas

Dei donativo para as famílias das vitimas mortais. Logicamente não voto nos potenciais criminosos e eventualmente ladrões.

Anónimo Há 2 semanas

Eu fiz uma pequena doação monetária numa conta da CGD para o efeito. Sinceramente, também gostava de perceber o que se passa. Esta situação apenas contribui para que numa outra circunstância as pessoas deixem de ser solidárias. O assunto fica minado.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub