Política Pedrogão: PSD diz que justificações parecem "parcelares", "empíricas" e com várias versões

Pedrogão: PSD diz que justificações parecem "parcelares", "empíricas" e com várias versões

Luís Montenegro enviou carta aos restantes líderes parlamentares a defender criação de uma comissão técnica e independente. Nem Governo nem entidades de prevenção e combate a fogos devem participar.
Pedrogão: PSD diz que justificações parecem "parcelares", "empíricas" e com várias versões
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 21 de junho de 2017 às 13:29

O líder parlamentar do PSD considera que as justificações que têm sido apresentadas para a tragédia dos incêndios de Pedrogão Grande "ampliam a perplexidade e a perturbação em vez de promoverem o sossego e alguma acalmia". Luís Montenegro enviou esta quinta-feira uma carta aos presidentes das restantes bancadas parlamentares onde pede apoio para a criação de uma comissão técnica independente do poder político e administrativo.

Na carta, Montenegro diz que "ninguém até ao momento conseguiu elucidar minimamente os funestos acontecimentos dos passados dias 17 e 18 de Junho em Pedrogão Grande e Castanheira de Pêra que vitimaram mais de 60 pessoas, entre as quais crianças". "Pelo contrário, as justificações que têm sido avançadas aparentam ser parcelares e empíricas, muitas delas já tendo sido sucessivamente abandonadas para darem lugar a outras diferentes".

O PSD considera também que não existe "uma imagem de coordenação, de liderança e eficiência global de prevenção, segurança e combate aos incêndios florestais", o que "dilata, ainda mais, a aflição colectiva".

Apesar de reconhecer que as respostas "não poderão ser oferecidas num curto espaço de tempo", o PSD defende que "há questões concretas e objectivas que podem e devem ser aclaradas o mais rapidamente possível".

Luís Montenegro desafia depois os restantes partidos com assento no Parlamento a "criar condições para que os esclarecimentos devidos possam ser obtidos de forma empenhada, isenta e credível".

Assim, e tal como tinha sido anunciado na terça-feira pela vice-presidente do partido, Montenegro defende uma "averiguação prioritariamente técnica e especializada, capaz de ponderar as diversas dimensões dos problemas, mas cuja composição, imprescindivelmente, terá de estar afastada de qualquer dever hierárquico ou de subordinação, pessoal ou funcional, face às diversas instâncias do poder político".

Ou seja, uma comissão técnica independente "absolutamente desobrigada de quaisquer vínculos com o poder político e administrativo, designadamente com o Governo, bem como as entidades que participaram no sistema de prevenção, segurança e combate aos incêndios".
        

Só assim será possível um trabalho "de apuramento detalhado, livre e imparcial, que os portugueses exigem quanto antes".

O líder parlamentar pede um consenso "célere" entre os partidos e defende que cada grupo parlamentar "possa sugerir especialistas de reconhecido mérito". O modo de funcionamento deve ser acertado em conferência de líderes. 




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.06.2017

A Ética, o Profissionalismo dos Jornalistas, da Imprensa, foi-se, pertence ao Passado, vendido que foi, ao Partidarismo Político, ao objetivo fácil de chegar a Eleitores, não me refiro a leitores, é mesmo a Eleitores, um jornalismo sem preocupação com o respeito por ele próprio, sem princípios, apen

Purezas 21.06.2017

Os comunistas deram proteção à tropa e apoiou todos os seus desvarios ao arrepio do povo .É claro que a sua intenção era controlar quem tinhas as armas e mesmo após a mudança politica o PCP manteve as suas forças armadas e isso permitiu q os outros fizessem o mesmo e assim surgiram generais,generais

Camaleão comunista 21.06.2017

Camaleão comunista avençado que comenta nestes fóruns com varios nomes, por mais que tentes desviar a atenção, chegando ao cúmulo de acusar o anterior governo por este verdadeiro CRIME com 64 mortos, não vais conseguir hipocrita. Geringonça CULPADA, CINICA, IGNOBIL

Água Ráz 21.06.2017

Em 74 os militares sem consultarem o povo decidiram acabar com a guerra e fazer uma aliança com o PCP , Povo/MFA e acabada a guerra vinha a paz ,seria de esperar que os investimentos fossem dirigidos para bombeiros e outras forças de paz ,porem investiram forte em mais guerra materiais e generais

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub