Política Monetária Pela primeira vez desde o pós-Brexit não houve unanimidade no Banco de Inglaterra

Pela primeira vez desde o pós-Brexit não houve unanimidade no Banco de Inglaterra

O Banco de Inglaterra manteve os juros inalterados em 0,25% e não fez alterações ao programa de compra de activos. Mas houve um membro que defendeu uma subida da taxa directora. E vários admitiram que se lhe seguirão.
Pela primeira vez desde o pós-Brexit não houve unanimidade no Banco de Inglaterra
Rita Faria 16 de março de 2017 às 13:25

O Comité de Política Monetária do Banco de Inglaterra decidiu manter os juros inalterados no mínimo histórico de 0,25%. No entanto, pela primeira vez desde Julho do ano passado, a decisão deste órgão não foi unânime.

Isto porque Kristin Forbes, um dos nove membros que compõem o Comité, votou a favor de uma subida de 25 pontos base na taxa directora para 0,5%, na reunião desta quinta-feira, 16 de Março, quebrando uma "tradição" de unanimidade nas votações que se prolongava há oito meses. Além de Forbes, outros membros admitiram que sinais positivos ao nível do crescimento e inflação podem justificar uma alteração da política monetária brevemente.

A manutenção dos juros era amplamente esperada pelos economistas, embora ninguém previsse que não existisse um consenso absoluto entre os membros responsáveis pela política monetária.

Numa altura em que o banco central tem de equilibrar a vontade de sustentar o crescimento com a preocupação relativa ao aumento dos preços no consumidor, Kristin Forbes defende que a situação mudou. Para a responsável, as perspectivas de inflação acima da meta nos próximos três anos, combinadas com poucos sinais concretos de crescimento mais lento, justificam um aumento imediato.

"Com a inflação a subir acentuadamente, e poucas evidências sobre a desaceleração da actividade doméstica, alguns membros notaram que só serão necessárias algumas notícias positivas sobre as perspectivas para o crescimento e inflação para considerarem que uma redução nos estímulos, ao nível da política, pode ser justificada", revelam as actas da reunião.

A falta de unanimidade acontece pela primeira vez desde Julho, quando um membro favoreceu uma descida imediata dos juros, depois do referendo em que os britânicos decidiram sair da União Europeia. Essa descida só viria a acontecer em Agosto.

Esta quinta-feira, além dos juros, o Banco de Inglaterra decidiu manter inalterado o programa de compra de activos.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.03.2017

Os ingleses fizeram mal em ter saído da Europa com medo dos Árabes.

Saber mais e Alertas
pub