Justiça Penhoras de contas bancárias próximas dos mil milhões de euros

Penhoras de contas bancárias próximas dos mil milhões de euros

Em quatro anos, desde que o instrumento foi criado, foram realizadas quase 320 mil penhoras electrónicas de contas bancárias. Em 2017 o valor penhorado atingiu já os 208 milhões de euros, escreve o Diário de Notícias.
Penhoras de contas bancárias próximas dos mil milhões de euros
Negócios 22 de novembro de 2017 às 09:33

Só em 2017 o número de penhoras electrónicas de contas bancárias está já acima das 50 mil, tendo sido recuperados desta forma cerca de 208 milhões de dívidas em atraso e que foram executadas. Os números são da ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução e são avançados esta quarta-feira, 22 de Novembro pelo Diário de Notícias.

 

Segundo o jornal, em pouco mais de quatro anos - desde que este instrumento das penhoras electrónicas de contas bancárias foi criado - foram já recuperados para os credores cerca de mil milhões de euros.

 

A OSAE revela que o valor tem vindo a aumentar todos os anos e que em 2017 está já acima da média anual de 197 milhões. A razão, afirma o bastonário, José Carlos Resende, tem a ver essencialmente com a recuperação da economia e com o facto de as famílias terem agora mais capacidade para cumprir os seus compromissos, mesmo quando se atrasam nos pagamentos.

 

Por outro lado, salienta o responsável, os agentes de execução - que são quem faz as penhoras - passaram a ter novas regras que os obrigaram, nomeadamente, a ter de observar um limite anual máximo de processos. E só depois de os concluírem é que podem receber novos processos. Uma limitação que terá contribuído para que o trabalho fosse acelerado, sendo que as penhoras de contas bancárias são a forma mais rápida e expedita de recuperar dívidas em atraso.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Esta medida outras similares demonstram um perfeito assalto legalizado igual ao realizado pelas grandes ditaduras de extrema esquerda e direita trucidárias.O cidadão é espoliado e nada pode fazer.Será normal que cada vez haja mais $ em off-shores.Isto é inconstitucional e ninguém arrebita cachimbo.

Anónimo Há 2 semanas

Comentário?? Vão roubar a grande p.q.p. Fizeram a penhora indevida, sem qualquer motivo tampouco em sonhos. Devolver o valor após o reconhecimento do erro? Daqui a uns meses! Juros? Para colar ao tecto! Reposição da idoneidade? Desconhecem o termo! Não se ponham finos não... Depois vão-se queixar ao

Saber mais e Alertas
pub