Segurança Social Pensionistas da Segurança Social terão metade do subsídio de Natal em duodécimos

Pensionistas da Segurança Social terão metade do subsídio de Natal em duodécimos

O novo regime de duodécimos também se aplica aos pensionistas da Segurança Social, onde as oscilações de rendimento são por vezes mais difíceis de entender. A solução é idêntica à que está prevista para reformados da CGA e funcionários públicos.
Pensionistas da Segurança Social terão metade do subsídio de Natal em duodécimos
Bloomberg
Catarina Almeida Pereira 14 de Outubro de 2016 às 18:16

Os pensionistas da Segurança Social também terão no próximo ano metade do subsídio de Natal pago nas datas normais e outra metade em duodécimos, de acordo com a proposta de Orçamento. Trata-se de um regime idêntico ao que está previsto para os funcionários públicos e para os pensionistas da Caixa Geral de Aposentações.

O documento prevê que o subsídio de Natal das "pensões de invalidez, velhice e sobrevivência atribuídas pelo sistema de Segurança Social, referente ao mês de Dezembro", seja pago da seguinte forma: 50% em Novembro e 50% em duodécimos, ao longo do ano de 2017.

Este ano os pensionistas estão a receber todo o subsídio de Natal em duodécimos. Com a alteração, passarão a receber menos em Janeiro e mais em Novembro.

A experiência dos últimos anos revelou que as alterações ao pagamento de pensões são especialmente sensíveis no caso da Segurança Social, onde estão em causa pensões mais baixas e onde a informação não é geralmente tão clara para os beneficiários como na Caixa Geral de Aposentações.

Pensões actualizadas em duas fases: Janeiro e Agosto

O impacto dos duodécimos, que vai reduzir a pensão a receber em Janeiro, mantendo no entanto o valor recebido anualmente, tem de ser conjugado com as actualizações que estão a ser negociadas com os partidos que suportam o Governo.

Para já, o que a proposta de orçamento prevê é que haja uma actualização em duas fases.

Em Janeiro, deverão ser actualizadas à inflação (que se espera que fique nos 0,7%) as pensões de até 2 indexantes de apoios sociais (dois "IAS", aproximadamente 838 euros). Entre este valor e os 6 IAS (cerca de 2.515 euros) a actualização corresponde à inflação menos cinco décimas (deverá rondar os 0,2%).

Mais tarde, em Agosto, e "como forma de compensar a perda de poder de compra causada pela suspensão, no período entre 2011 e 2015", o Governo fará uma actualização extraordinária de dez euros, por pensionistas, nas pensões de até 1,5 IAS (cerca de 629 euros).

 

Tendo em conta que esta questão tem estado no centro das negociações com o Bloco de Esquerda e o PCP, é possível que esta proposta ainda sofra alterações durante o processo de discussão na especialidade, no Parlamento.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas



Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.

Manuel Silva Há 2 semanas

O Sr.Costa esqueceu que palavra dada, é palavra honrada.
Em 2016 dizia que o subsidio de , natal para reformados era pago de uma só vez.

Confirmei a minha opinião sobre os políticos.
Votar NUNCA MAIS.

Anónimo Há 2 semanas

Nos paises ricos é Natal todos os meses !

ciddadão Há 2 semanas

Reformado

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub