Orçamento do Estado Pensões mínimas vão voltar a aumentar 1% em Janeiro

Pensões mínimas vão voltar a aumentar 1% em Janeiro

A proposta de Orçamento do Estado para 2015 sobe em 1%, ligeiramente acima da previsão para a inflação de 0,7%, as pensões mínimas, sociais e rurais.
Pensões mínimas vão voltar a aumentar 1% em Janeiro
Negócios 15 de outubro de 2014 às 20:45

A proposta de Orçamento do Estado para 2015 antecipa a actualização em 1% das pensões mínimas, sociais e rurais. O Governo propõe-se repetir "a política dos últimos três anos", "favorecendo o aumento real dos rendimentos de mais de um milhão de portugueses", lê-se no documento.

 

Em causa estão as pensões sociais (199,53 euros), as do regime agrícola (239,43 euros), e o primeiro escalão das pensões mínimas (259,36 euros).

 

Prevê-se a "actualização de 1% das pensões mínimas de invalidez e velhice do regime geral de segurança social correspondentes a carreiras contributivas inferiores a 15 anos, as pensões de aposentação, reforma e invalidez e outras correspondentes a tempos de serviço até 18 anos do regime de protecção social convergente, as pensões do regime especial de segurança social das actividades agrícolas (RESSAA), as pensões do regime não contributivo e regimes a este equiparados, as pensões dos regimes transitórios dos trabalhadores agrícolas, e o complemento por dependência", enumera-se na proposta de OE.

 

No ano passado, o Governo decidiu um aumento de 1% com base na inflação esperada, que deverá afinal ficar próxima de zero. Por isso, os pensionistas em causa ganharam poder de compra. Desta feita, o aumento de 1% também supera ligeiramente a subida de 0,7% dos preços prevista para 2015.

O aumento das pensões mínimas têm sido eleito como uma das bandeiras de combate à pobreza. Já a oposição lembra que esta política tem um efeito neutro no apoio aos pensionistas que, por serem comprovadamente pobres, recebem o complemento solidário para idosos.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado José Ferreira de Almeida Há 6 dias

ahahahahahhaha ate da vontade de rir, deve ser como os vencimentos dos deputados e juízes ahahhahahahahahahahaha

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

VAMOS TODOS TRABALHAR PARA O ESTADO?
SO O ESTADO E QUE OFERECE GARANTIAS,DE BONS SALARIOS. E BOAS REFORMAS ENQUANTO OS REFORMADOS VAO MORRENDO DAS DOENCAS OU DE FOME.

QUE PORCA MISERIA DA NOSSA DEMOCRACIA.

Anónimo Há 6 dias

Estes políticos poderiam.me dizer o irei eu comprar com 3.60€ de aumento?

Ricardo Martins Há 6 dias

Uma fortuna entretanto cortam no subsídio de desemprego e mais ainda no abono de família um espectáculo estes c....

Ricardo Martins Há 6 dias

-Que vão fazer com tanto dinheiro??

ver mais comentários
pub