Orçamento do Estado Pensões "milionárias" livram-se dos cortes em 2017

Pensões "milionárias" livram-se dos cortes em 2017

A versão preliminar do Orçamento do Estado para o próximo ano não renova a contribuição extraordinária de solidariedade. Caso não haja retrocesso as pensões mais altas livram-se de vez dos polémicos cortes.  
Pensões "milionárias" livram-se dos cortes em 2017
Reuters
Elisabete Miranda 14 de Outubro de 2016 às 14:37

A contribuição extraordinária de solidariedade (CES) deverá desaparecer em definitivo no próximo ano, a julgar pela proposta de Orçamento do Estado para 2017, que não renova esta prestação.

 

A eliminação da CES estava prometida desde o Orçamento para 2016, mas, dados os recuos do Governo em outros compromissos como a extinção da sobretaxa, subsistia a dúvida sobre o destino desta contribuição de solidariedade, que este ano ainda onerou quem tem uma pensão ou um conjunto de pensões de 4.611,22 euros brutos em diante.  

Caso a proposta de OE não se altere durante a sua passagem pelo Parlamento, desaparece a pressão sobre um dos mais influentes focos de contestação que se fizeram ouvir nos últimos anos, uma vez que é nos sistemas de pensões privados que, isoladamente ou conjugados com pensões dos sistemas públicos, se formaram algumas das reformas mais altas do país, como é o caso de ex-banqueiros e antigos quadros de grandes empresas. 

Em causa estão menos de 20 milhões de euros de receita pública adicional. 




A sua opinião45
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

A isto se chama justica social... Poupam-se os que mais ganham para se aumentar e criar impostos sobre o consumo em que até os mais pobres dos pobres pagam.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Ainda vão a tempo de manter a CES tal como está, ou melhor , acabar com a CES porque era extraordinária e criar a CS com a mesma aplicação.

mmmpinto Há 2 semanas

Percebi bem? Pensões milionárias, conseguidas, sabemos como, pela "revolução", livram-se de cortes? por outro lado, a partir de Agosto, melhoram-se os necessitados com mais 33 cêntimos diários. Que grandes amigos de quem precisa!!! São os tais 230 "magníficos", inventores de uma maioria que pratica a justiça social. Bravo Jerónimo e Catarina e parabéns ao vosso líder Costa!!!. Continuo a pensar, 180 estorvavam menos e ficavam-nos a todos muito mais barato.

nb Há 2 semanas

Ora, aqui está a justeza deste orçamento, que reflete a preocupação social deste governo.

Anónimo Há 2 semanas

bandidos espero que marcelo vete este orçamento de estado e espero que este governo seja derrubado isto e um atentado o que vao fazer ao pais vergonha

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub