Economia Perdão fiscal bate novo recorde

Perdão fiscal bate novo recorde

Este ano o Estado vai encaixar 551 milhões de euros com o PERES, o mais recente regime de regularização de dívidas ao Fisco e à Segurança Social. A receita global supera em 12,3% a do perdão do Governo anterior.
Perdão fiscal bate novo recorde
Bruno Simão/Negócios
Elisabete Miranda 27 de dezembro de 2016 às 19:18

O PERES, o novo perdão de dívidas ao Fisco e à Segurança Social, permitiu aos contribuintes a regularização de 1.434 milhões de euros em falta. Trata-se de um novo recorde na adesão a perdões parciais de dívida, mas, neste caso, a maior parte da receita será paga em prestações ao longo dos proximos anos.

Os valores globais do perdão fiscais foram divulgados esta quarta-feira, após a divulgação de comunicados oficiais pelo Ministério das Finanças e pelo Ministério da Segurança Social. 

Segundo a equipa liderada por Vieira da Silva, aderiram ao regime 48.575 contribuintes a quem corresponde uma dívida global de 290 milhões de euros. Deste bolo, 40 milhões de euros foi cobrada até 23 de Dezembro, isto é, corresponde a receita que será contabilizada em 2016. O resto será recebido em prestações, nos próximos anos. 

Do lado do Fisco chega a fatia-de-leão da receita. Tal como foi divulgado ao início da tarde, as Finanças receberam regularizações no valor de 1.144 milhões de euros, 511 milhões dos quais já deram entrada nos cofres públicos. 

Ao todo, o perdão ao Fisco e à Segurança Social acabou por permitir a regularização de 1.434 milhões de euros, um valor que compara com os 1.277 milhões de euros do Governo anterior e os 1.075 milhões de euros conseguidos em 2002.

Contudo, como o PERES introduziu a possibilidade de pagamento das dívidas a prestações, estes valores serão recebidos de forma faseada.

A informação disponibilizada pelo Governo não permite perceber qual o perfil anual de receita esperada, apenas indicando que, este ano, o encaixe global será  de 551 milhões de euros, o equivalente a 38,4% do total. 

A receita, embora parcial, dará um contributo valioso para o défice orçamental deste ano, que o primeiro-ministro já garantiu que se situará confortavelmente abaixo dos 2,5% do PIB. 

De referir que a receita que o Fisco e a Segurança Social acabaram de contratualizar com as adesões ao novo perdão fiscal não é toda certa, podendo uma parte dela ter de ser devolvida no futuro aos contribuintes, já que uma parte das adesões se encontra em litígio judicial. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Olha, Olha... Há 3 semanas

Que friso encantador! Malhador, facadas, cócós e ranhetas, a trabalhar afanosamente para descobrir onde aplicar o próximo imposto. Perdão! Ajustamento orçamental e justiça fiscal. Com esta geringonça não há aumento de impostos. Isso era com o anterior ladrão Este usurpou a cadeira, para bem do povo.

Anónimo Há 3 semanas

Os gerigoncos devem ser todos pescadores:pescam uma sardinha e depois vao dizer ao vizinho que pescaram um golfinho.Eu vejo assim:o pequeno nao pode fugir aos 40 ou 50 euros que nao pagou.O rico mantem a divida em banho-maria ate ha prescricao,exp.:galp e supermercados devem dezenas de milhoes,pagam

E para os Pagantes qual sera o premio? Há 3 semanas

Vergonha de pequenotes, dito emprezarios da treta. Eu sempre paguei qual sera o bonus para mim. Ja o banda-lho do meu vizinho ficou sem pagar impostos, a seguranca social, a EDP agua e agora fica perdoado, e com os carroes que roubou. Grande leis para ladroes têm este antro, vou mudar-me para Espan

pub
pub
pub
pub