Américas Perry quis extinguir o Departamento de Energia em 2012. Agora deve liderá-lo

Perry quis extinguir o Departamento de Energia em 2012. Agora deve liderá-lo

O antigo governador do Texas e pré-candidato republicano Rick Perry foi escolhido por Trump e vai suceder a Ernest Moniz, o lusodescendente que até ao momento tinha a pasta dos assuntos energéticos na Administração Obama.
Perry quis extinguir o Departamento de Energia em 2012. Agora deve liderá-lo
Paulo Zacarias Gomes 14 de dezembro de 2016 às 12:22
Rick Perry, de 66 anos e durante os últimos 15 governador do Estado do Texas, é a escolha do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, para liderar o Departamento de Energia. 

A nomeação tem ainda de passar pelo crivo do Senado mas, caso tal aconteça, Perry vai passar a liderar uma agência cuja extinção defendeu há quatro anos, quando se candidatou às primárias republicanas. 

"Rick Perry criou (...) um ambiente de negócios que produziu milhões de novos empregos e preços de energia mais baratos no seu estado e vai trazer a mesma atitude a todo o nosso país enquanto secretário da Energia," afirmou Trump num comunicado citado pela Reuters.

Há quatro anos, num debate com outros protocandidatos presidenciais, Perry protagonizou um momento caricato ao tentar apontar as três agências governamentais que, sob a sua alçada, prometia eliminar.

"Comércio, Educação e a de, hum, qual é a terceira? Comércio, Educação e a... hum, a...Não consigo... a terceira não consigo. Desculpem. Ups," desabafou, acabando mais tarde por se lembrar de que o departamento a que se queria referir era o da Energia.

O sucessor do lusodescendente Ernest Moniz (que lidera actualmente o Departamento) e rival de Trump nas primárias de 2016 já agradeceu a nomeação para a equipa de Trump, o presidente que toma posse a 20 de Janeiro.

Em dois dias, esta é a segunda figura com ligações ao mundo do petróleo (o Estado do Texas, de que Perry foi governador, é um dos maiores produtores desta matéria-prima nos EUA) a assumir um cargo na administração Trump. Esta terça-feira a equipa de transição de Trump anunciou o nome de Rex Tillerson, até aqui CEO da petrolífera ExxonMobil, para o cargo de secretário de Estado.

Além de Perry e Tillerson, a equipa de Trump já conta com os seguintes titulares indicados: James Mattis na Defesa, Betsy DeVos na Educação, John Kelly na Segurança Interna, o ex-Goldman Sachs Steven Mnuchin no Tesouro, o "rei da bancarrota" Wilbur Ross no Comércio, Elaine Chao nos Transportes.

Ben Carson - também rival de Trump nas primária - foi indicado para a Habitação enquanto Cathy McMorris Rodgers, uma defensora da indústria petrolífera e céptica em relação ao entendimento da generalidade da comunidade científica sobre as alterações climáticas, está apontada para o Departamento do Interior. Tom Price deve assumir a Saúde e o secretário do Trabalho será Andy Puzder, um empresário de fast-food que violava leis laborais.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub