Economia Pesos-pesados mantêm bolsa isolada nos ganhos na Europa

Pesos-pesados mantêm bolsa isolada nos ganhos na Europa

Numa altura em que todos os principais índices europeus estão já a transaccionar no vermelho, o PSI-20 continua a valorizar, prolongando os ganhos de ontem.
Raquel Godinho 08 de maio de 2012 às 10:44
O índice de referência da bolsa de Lisboa soma 0,47% para os 5.239,61 pontos, com dez cotadas no verde, nove no vermelho e uma inalterada. Depois de um início de sessão sem uma tendência definida, os principais mercados do Velho Continente estão agora a desvalorizar, penalizados pelo impasse na Grécia.

Os partidos políticos avançam hoje para o segundo dia de negociações para a constituição de um novo governo, depois das eleições do passado domingo.

A Portugal Telecom é, nesta altura, a cotada que mais impulsiona o mercado nacional, ao valorizar 1,35% para os 4,143 euros. A operadora segue a tendência do sector na Europa, com o índice de referência a valorizar mais de 1%, depois de a Royal KPN ter recebido uma oferta no valor de 2,6 mil milhões de euros por parte da America Movil para mais do que quintuplicar a sua posição para os 28%.

Neste sector, as restantes cotadas nacionais seguem em queda. A Zon Multimédia deprecia 0,54% para os 2,58 euros, enquanto a Sonaecom recua 0,57% para os 1,227 euros.

Também a EDP contribui para manter a praça lisboeta do lado dos ganhos. A eléctrica soma 0,59% para os 2,218 euros, numa altura em que se aguardam os resultados trimestrais da cotada que serão publicados na próxima quinta-feira. Já a EDP Renováveis recua 0,84% para os 3,319 euros, a corrigir dos ganhos recentes.

Outro dos pesos-pesados que impulsiona o PSI-20 é a Jerónimo Martins, que aprecia 0,57% para os 14,21 euros.

Entre os principais destaques desta manhã, está o sector financeiro. O BPI avança 5,81% para os 0,419 euros, depois de ter valorizado já cerca de 8%, a ser animado pela notícia de que Isabel dos Santos reforçou a sua posição no banco, ao comprar uma posição de 9,4% ao La Caixa, por 0,50 euros por acção.

O Banco Espírito Santo (BES) ganha 0,80% para os 0,627 euros, enquanto o Banco Comercial Português (BCP) segue agora inalterado nos 0,11 euros, depois de ter chegado a apreciar mais de 7%. O banco liderado por Nuno Amado anunciou, ontem, que regressou aos lucros, depois dos prejuízos do último trimestre do ano passado. Nos primeiros três meses deste ano, o banco obteve lucros de 40,8 milhões de euros.

O Espírito Santo Financial Group (ESFG) segue a recuar 0,02% para os 5,20 euros.

Também a Galp Energia negoceia do lado das perdas, numa altura em que os preços do petróleo recuam pelo quinto dia consecutivo nos mercados internacionais. A petrolífera cede 0,09% para os 11,175 euros.

Já a Cimpor avança 0,18% para os 5,50 euros, depois de ter anunciado ontem à noite que obteve resultados líquidos de 49 milhões de euros, entre Janeiro e Março, menos 15,4% do que no período homólogo.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.05.2012

Nao é mais facil vender as accoes do que esperar ganhar algum,sendo que esse algun que ganhas é anulado pelo que pagas em impostos e custos sociais.
So é pena haver muitos iludidos como tu, assim vai ser uma agonia lenta e prolongada enquanto esperam pelos retornos milagrosos das accoes.

Anónimo 28 08.05.2012

Olha só lhe vou dizer uma coisa, nunca se deve investir quando no dia seguinte podemos precisar do dinheiro, por isso nunca vou vender só por vender. As pessoas aflitas é que se estão a desgraçar com estas ações, isso acredito, mas daqui a alguns meses verás estas ações nos 50 cêntimos. Não nos podemos esquecer do dinheiro que está a ser injetado lá de fora, por isso os bancos podem estar mal, mas nunca vão a baixo, mas lhe dou razão quando diz que o contribuinte é que está a pagar isto tudo, eu sou um dos mais penalizados!!

Anónimo 08.05.2012

Anónimo 28 para o estado pagar ao BCP, como o estado nao tem dinheiro, tem de ser os contribuintes a pagar.
Nao podes fazer as contas so aos activos, se fizeres bem as contas,veras que o BCP ta mais que falido,alias como todos os bancos.
Tira mas é o dinheiro do BCP antes que seja tarde de mais.

Anónimo 28 08.05.2012

Fico parvo com tanto comentário sem jeito sobre o B.C.P. Toda a gente fala mal dessas ações, mas pensem um pouco, sabem quanto o estado deve a esse banco em divida pública? Mais do quíntuplo que este banco perdeu com esses cromos da Grécia. Daí, se o estado pagar o que deve, o B.C.P vender o que tem da Cimpor e sem falar dos fundos retidos pelo estado, façam as contas, juntar isto tudo e o estado vai pagar o que deve porque agora até pode, estas ações vão valer quanto daqui a alguns meses! Este preço é irreal até o estado sabe disso, daí querer ações. Uma coisa é verdade, falido o banco não está… Parem de falar mal

ver mais comentários
pub