Saúde Pfizer multada por inflacionar preço de medicamento

Pfizer multada por inflacionar preço de medicamento

A Pfizer recebeu esta quarta-feira, 7 de Dezembro, uma multa da autoridade da concorrência britânica. Em causa está o preço de um medicamento para a epilepsia.  
Pfizer multada por inflacionar preço de medicamento
Negócios 07 de dezembro de 2016 às 15:06

A Pfizer foi multada em mais de 84 milhões de libras (99,5 milhões de euros) e a distribuidora farmacêutica Flynn Pharma recebeu uma coima de mais de 5 milhões de libras. As sanções recaem sobre um preço inflacionado de um medicamento para o tratamento da epilepsia, avança o Financial Times.

 

Para além das multas, a Autoridade da Concorrência e dos Mercados britânica pediu que a Pfizer baixasse o preço dos medicamentos em 30 dias, e que a Flynn Pharma baixasse os seus preços em quatro meses.

 

Segundo a mesma fonte, esta é a maior multa alguma vez processada pela Autoridade, num total de cerca de 90 milhões de libras.

 

Em 2012, a Pfizer distribuiu o medicamento pela Flynn sob a marca Epatunin, que posteriormente fora vendida como um genérico. Esta estratégia deveu-se ao facto de não haver controlo sobre os preços dos medicamentos genéricos, pelo que as farmacêuticas adquirem um maior espaço de manobra na prática de preços mais elevados.

 

O Financial Times afirma que uma caixa de 100 mg de medicamentos subiu subitamente de 2,83 libras para 67,50 libras, num contexto em que o Serviço Nacional de Saúde britânico recomendou aos pacientes que não utilizassem outro tratamento que não fosse o da Pfizer.

 

A Pzifer rejeita quaisquer conclusões da investigação que perdura há três anos e que poderá vir a recorrer de "todos os aspectos da decisão". A empresa afirma que tem tido prejuízo no fabrico de tais medicamentos, e que não cessa a produção apenas porque cerca de 48.000 pacientes estão dependentes do tratamento.

 

As empresas farmacêuticas têm estado na mira das entidades reguladoras, após Martin Shkreli ter aumentado o preço de um tratamento para o cancro e para a SIDA de 13,5 dólares por comprimido para 750 dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 4 dias

TUDO BOA GENTE

POR ISSO NÃO PÁRAM DE AFUNDAR...

...O QUE É BOM...

gps Há 4 dias

'que posteriormente fora vendida'