Angola PGR de Angola valida nomeação da Isabel dos Santos para a Sonangol

PGR de Angola valida nomeação da Isabel dos Santos para a Sonangol

A Procuradoria angolana diz que o Presidente da República tem competência legal para fazer esta nomeação. O activista Rafael Marques tinha entregue na PGR, em Junho, uma queixa relativa à decisão de José Eduardo dos Santos.
PGR de Angola valida nomeação da Isabel dos Santos para a Sonangol
Lusa 06 de Dezembro de 2016 às 17:09

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola considera a nomeação de Isabel dos Santos para presidente da petrolífera estatal Sonangol uma competência legal do Presidente da República, ao abrigo da Lei de Bases do Sector Empresarial Público.

 

A posição surge no despacho de resposta da PGR a uma queixa, formalizada a 16 de Junho pelo activista angolano Rafael Marques, invocando a inconstitucionalidade dos decretos presidenciais de reajustamento da organização do sector petrolífero e com alterações aos estatutos da concessionária pública Sonangol "sem a prévia autorização da Assembleia Nacional".

 

Com essa queixa, Rafael Marques - que já confirmou à Lusa que vai pedir a impugnação deste despacho da PGR - pedia ainda a intervenção do Ministério Público para que solicitasse a "imediata" declaração da suspensão da eficácia da nomeação de Isabel dos Santos para presidente do conselho de administração da Sonangol, feita pelo chefe de Estado e pai da empresária, José Eduardo dos Santos, também em Junho, por ser um ato "deles [decretos presidenciais] derivado".

 

No despacho da PGR, a que a Lusa teve hoje acesso, o procurador João Maria de Sousa refere que, no entendimento daquele órgão, a nomeação de Isabel dos Santos "não resulta da aplicação de nenhum dos dois decretos citados" e sim "em obediência ao disposto na lei de Bases do setor Empresarial Público".

 

Acrescenta que nas empresas públicas de interesse estratégico, os membros do conselho de administração "são nomeados e exonerados pelo Titular do poder executivo", de acordo com o seu artigo número 46 daquela lei.

 

"Ora, sendo a Sonangol EP uma empresa reconhecidamente estratégica, competia ao titular do poder executivo, nomear (como o fez) por decreto presidencial os membros do conselho de administração", refere o despacho, acrescentando: "Logo, não há como não concluir não ser tal ato inconstitucional".

 

Na queixa à PGR, Rafael Marques denunciava que os dois decretos presidenciais, no âmbito do processo de reestruturação da concessionária pública, representavam "actos inconstitucionais" por serem matérias na "reserva relativa do poder legislativo", segundo a Constituição.

 

Contudo, a PGR refere, citando o artigo número 120, que nos termos da Constituição, o Presidente da República é o titular do poder executivo e nessa qualidade deve "dirigir os serviços e a actividade da administração directa do Estado, civil e militar, superintender a administração indireta e exercer a tutela sobre a administração autónoma".

 

"Compõem a administração indirecta do Estado, nomeadamente, as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas. Entre as empresas públicas e, para o caso em análise, aponta-se a Sonangol EP", lê-se no despacho.

 

Acrescenta que só no caso de se tratar de legislação sobre as "bases do estatuto das empresas públicas" é que seria necessária uma "prévia autorização legislativa", concluindo assim que os dois decretos presidenciais invocados "não violaram a Constituição nem são manifestamente ilegais".

 

Contactado pela Lusa, Rafael Marques confirmou que vai pedir a impugnação deste despacho da PGR, alegando que o decreto presidencial 109/16 "não é uma mera reorganização administrativa".

 

"Também é, mas é muito mais. É uma reorganização estruturante do principal sector de actividade do país", concluiu, reafirmando entender que há uma violação da Constituição, sobre a competência da Assembleia Nacional.

 

A nomeação de Isabel dos Santos foi ainda alvo de uma providência cautelar interposta em Junho por um grupo de 12 advogados angolanos, invocando a alegada violação da lei da Probidade Pública, por ter sido feita pelo próprio pai.

 

Desde Junho que essa acção aguarda decisão no Tribunal Supremo, mas o Presidente José Eduardo dos Santos e a empresária Isabel dos Santos já terão apresentado a respetiva contestação, nos termos da lei.

 

"Nos próximos dias vamos ter uma decisão. Já não é segredo que as pessoas visadas já apresentaram a sua questão, não sabemos em que termos. O que sabemos é que esta questão está em pauta e acredito que ainda antes das férias judiciais teremos uma decisão", disse hoje à Lusa David Mendes, porta-voz deste grupo de advogados.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A sério? Há 1 semana

Quem diria? Se não o fizessem a ditadura matava-os. ahahahaahahahahahaah

Anónimo Há 1 semana

É?... áh... e eu a pensar que eles iam dizer que não... vá lá! que grande surpresa...

Miguel Fonseca Há 1 semana

"Logo, não há como não concluir não ser tal ato inconstitucional": se a frase é mesmo está, podemos ter sarilhos!

sousa Há 1 semana

LOL

pub
pub
pub
pub