Economia Pinto Balsemão espera que exclusão de canais da SIC em Angola seja "bem resolvida"

Pinto Balsemão espera que exclusão de canais da SIC em Angola seja "bem resolvida"

O presidente do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, afirmou este sábado, na cidade da Praia, que a exclusão de canais televisivos do grupo em Angola é um "problema" do país que espera ver "bem resolvido".
Pinto Balsemão espera que exclusão de canais da SIC em Angola seja "bem resolvida"
Pinto Balsemão e a exclusão dos canais televisivos do grupo Impresa em Angola: "É um problema angolano que gostava que fosse bem resolvido."
Lusa 29 de julho de 2017 às 17:53

"É um problema angolano que gostava que fosse bem resolvido", disse Pinto Balsemão, quando questionado sobre a exclusão de canais televisivos do grupo Impresa em Angola.

A 14 de Março, a Zap interrompeu a difusão dos canais SIC Internacional e SIC Notícias nos mercados de Angola e Moçambique, o que aconteceu depois de o canal português ter divulgado reportagens críticas ao regime de Luanda.

 

Desde 5 de Junho, também a operadora de televisão por subscrição Multichoice, através da plataforma internacional DStv, deixou de transmitir os canais SIC Notícias e SIC Internacional África em Angola.

 

A operadora portuguesa NOS detém 30% da Zap, sendo o restante capital detido pela Sociedade de Investimentos e Participações, da empresária angolana Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

 

Os restantes canais do grupo português, SIC Mulher, SIC Radical, SIC Caras e SIC K, continuam a ser transmitidos normalmente em Angola.

 

Questionado sobre o assunto pela agência Lusa, à margem da sua participação numa conversa sobre democracia e governação com o ex-primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves. Francisco Pinto Balsemão não se alongou muito nas respostas, dizendo apenas que o grupo Impresa é a "favor do pluralismo e de uma concorrência sã e leal".

 

O empresário e também antigo primeiro-ministro português afirmou ainda que este é um assunto que fará parte da campanha eleitoral em Angola.

 

O país vive, actualmente, um clima de pré-campanha para as eleições gerais de 23 de agosto, às quais já não concorre José Eduardo dos Santos, Presidente da República desde 1979.

 

Em Junho, a empresária Isabel dos Santos, que detém a distribuidora angolana de televisão por subscrição Zap, escreveu nas redes socais que "a SIC é muito cara" e que a exclusão dos canais daquele grupo português era uma decisão comercial.

 

Instado a comentar, Pinto Balsemão disse que não quer entrar no assunto, remetendo apenas para um comunicado imitido pelo grupo Impresa.

 

Fonte oficial da SIC disse que se "preocupa essencialmente com a liberdade de informação" e a prestação "de serviços de qualidade", pelo que não se enreda "em 'tertúlias' nas redes sociais".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Para breve OPA da NOS sobre IMPRESA. O Balsemão anda a provocar a Isabel dos Santos, com a saída dos canais SIC em Angola.
Vamos ver quem manda! São os euros!!! IMPRESA A DUPICAR DE VALOR (da noite para o dia, como aconteceu com o Montepio). Aproveitem.

pub
pub
pub
pub