Justiça PJ detém quatro farmacêuticos no Grande Porto por alegada fraude ao SNS

PJ detém quatro farmacêuticos no Grande Porto por alegada fraude ao SNS

Quatro farmacêuticos de três farmácias do Grande Porto foram detidos por alegada fraude ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) num valor que rondará um milhão de euros, anunciou esta quinta-feira a Polícia Judiciária (PJ).
PJ detém quatro farmacêuticos no Grande Porto por alegada fraude ao SNS
Bruno Simão/Negócios
Lusa 03 de Novembro de 2016 às 16:42

Em comunicado, a PJ adianta que os quatro farmacêuticos estão "fortemente indiciados pelos crimes de burla qualificada, corrupção, falsificação de documento agravado e falsidade informática", tendo sido apurado um valor de fraude ao SNS aproximado de um milhão de euros nas três farmácias alvo de buscas.

 

"De acordo com os elementos apurados, a actividade criminosa consistia num esquema fraudulento de venda fictícia de medicamentos através da emissão de receitas médicas fictícias, a fim de que a taxa de comparticipação paga pelo Estado revertesse para os suspeitos", explica.

 

Os detidos são dois farmacêuticos proprietários das farmácias visadas e dois directores técnicos de duas delas, com idades entre os 36 e os 65 anos, que foram já presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das respectivas medidas de coacção.

 

De acordo com a Judiciária, as buscas ocorreram "no âmbito de investigações a práticas de fraude ao SNS em inquéritos titulados pelo Ministério Público - DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] do Porto, prosseguindo a investigação "no sentido de determinar todas as condutas criminosas e o seu alcance, bem como o prejuízo total causado ao Estado português através de comparticipações obtidas fraudulentamente do SNS".

 

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

País triste,começa por bancos,politicos,força Aérea,farmácias,e k mais?!. Este País não pode continuar assim,é impossível até da nojo:Citando o meu caso,a fazer confiança ao meu país,e bancos,e fico sem 400.000euros no banco do sr Ricardo Salgado.Se fosse agora , não vinha um cêntimo para Portugal.

AO MAIS VOTADO Há 6 dias

Vou-te tratar do pelo

Anónimo Há 6 dias


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as absurdas pensões da CGA.

Ano - Receitas CGA / Trf. OE / Desp. Total

2015 - 4.927 / 4.601 / 9.528 Milhões €

pub