Segurança Social PJ deteve 12 pessoas por corrupção na legalização de imigrantes na Segurança Social

PJ deteve 12 pessoas por corrupção na legalização de imigrantes na Segurança Social

O 'modus operandi' consistia na manipulação do sistema informático da Segurança Social, por meio da criação e alteração de registos na base de dados. Segurança Social diz que o esquema foi detectado internamente.
PJ deteve 12 pessoas por corrupção na legalização de imigrantes na Segurança Social
Pedro Elias/Negócios
Negócios com Lusa 27 de junho de 2017 às 12:48

A PJ deteve hoje 12 pessoas, seis dos quais funcionários do Instituto da Segurança Social, por corrupção, falsificação de documentos e outos crimes relacionados com a legalização de imigrantes oriundos do Sudoeste asiático.

Em comunicado, a Polícia Judiciária adianta que entre os 12 detidos estão também seis cidadãos estrangeiros, estando em causa, neste processo, crimes de corrupção passiva e activa para ato ilícito, abuso de poder, falsidade informática e falsificação de documentos.

 

Segundo a PJ, o 'modus operandi' consistia na manipulação do sistema informático da Segurança Social, por meio da criação e alteração de registos na base de dados, atribuindo números de identificação da segurança social fraudulentos a cidadãos estrangeiros mediante o recebimento de contrapartidas, no valor de centenas de milhares de euros.

Num comunicado enviado às redacções, o Instituto da Segurança Social (ISS) diz que foi a própria instituição a apresentar a denúncia que desencadeou as buscas para "recolha de prova." 

"A referida denúncia resulta das práticas internas de detecção de fraude interna desenvolvidas no âmbito do seu Plano de Prevenção dos Riscos de Corrupção e Infrações Conexas," detalha o ISS, no documento em que considera que esta é uma "situação isolada" e se compromete a combater "todos o tipo de práticas que não estejam alinhadas com o seu Código de Ética ou que violem as normas que enquadram a atuação da Administração Pública".




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Prisão para os corruptos 27.06.2017

Portugal é chacota do mundo com estes oportunistas.

Anónimo 27.06.2017

Precisamos de combater o excedentarismo, a corrupção e demais despesismo, flexibilizar o mercado laboral, fomentar o mercado de capitais, moralizar o sistema de prestações sociais, e assim criar as condições para que a criação de valor na economia obedecendo às forças de mercado que correspondem às reais necessidades dos agentes económicos, assente na inovação disruptora e no empreendedorismo visionário, seja cada vez maior.

Anónimo 27.06.2017

A melhor maneira de poupar sem perder qualidade do serviço é investindo em capital com elevada incorporação de tecnologia que poupe em factor trabalho e eleve a produtividade e a transparência para outro patamar. Os nórdicos sabem disso, os britânicos sabem disso, os norte-americanos sabem disso, os australianos e neozelandeses sabem disso. Em Portugal isso é impossível porque a legislação afirma que não se pode despedir excedentários. Paga Zé.

pertinaz 27.06.2017

PUNHO DE FERRO NA MALANDRAGEM...!!!

ver mais comentários
pub