Justiça PJ deteve oito pessoas por suspeitas de fraude fiscal de 50 milhões de euros

PJ deteve oito pessoas por suspeitas de fraude fiscal de 50 milhões de euros

A Polícia Judiciária deteve oito pessoas por crimes de associação criminosa e fraude fiscal e ainda outros ilícitos que terão sido praticados no norte do país. A RTP adianta que o Estado terá sido lesado em 50 milhões de euros.
PJ deteve oito pessoas por suspeitas de fraude fiscal de 50 milhões de euros
Bruno Simão/Negócios
Negócios 27 de junho de 2017 às 13:30

A Polícia Judiciária deteve oito pessoas suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e ainda outros ilícitos que terão sido praticados na região norte de Portugal. Em nota publicada no site da PJ, a força policial revela que estas detenções foram realizadas no âmbito da "Operação B 52", um inquérito que está a cargo do Ministério Público através do DIAP do Porto.

 

Na nota referida, a PJ explica que as detenções foram feitas no "cumprimento de mandatos" emitidos pelo DIAP do Porto, tendo procedido "à identificação e detenção de oito pessoas, uma parte das quais por associação criminosa para a prática de crimes de fraude fiscal e branqueamento". 

 

Segundo a PJ, a investigação foi feita em conjunto com a Autoridade Tributária, tendo permitido "recolher elementos indiciários de que os suspeitos, com os referidos ilícitos, tenham defraudado o Estado em elevados montantes ainda não totalmente apurados pelo não pagamento de impostos devidos no âmbito da respectiva actividade comercial".

Entretanto, a RTP que avançou com a notícia, adianta que em causa estará um montante de 50 milhões de euros e que entre os detidos "há empresários e técnicos oficiais de contas".

 

Ainda de acordo com a notícia do canal público, a PJ realizou na manhã desta terça-feira perto de 40 buscas em 21 locais, repartidos pelo Porto, Gondomar e Penafiel. A RTP refere que em causa está um alegado esquema de "facturação falsa e falsificação de vários outros documentos". Contudo, a RTP refere-se a nove detenções e não oito como escreve a PJ na nota publicada no seu site.

 

A PJ adianta também que esta operações foi ainda feita em colaboração com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, acrescentando que "foram ainda identificadas e detidas em flagrante delito mais cinco pessoas, duas por posse de documentação falsa, duas por entrada e permanência ilegal e uma por detenção de arma proibida". 

Os detidos, com idades compreendidas entre os 29 e os 65 anos, alguns empresários e outros sem qualquer ocupação profissional declarada, serão presentes a um juiz para interrogatório e consequente aplicação de medidas de coacção. 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ermelinda Nunes 27.06.2017

Gostava de poder perguntar ao Sr Ministro Vieira da Silva, como é possivel uma pessoa aos 60 anos ter 48 anos de descontos.Essa pessoa começaria a descontar aos 12 anos.
Gostaria também de saber o seguinte: uma pessoa com 84% de incapacidade que se reformou com reforma antecipada, está inclus


Anónimo 27.06.2017

Enquanto não automatizarem o fisco e digitalizarem o dinheiro acabando com o numerário, a burla e fraude nunca acabarão.

A grande Herança da quadrilha do laranjal escavaca 27.06.2017

Tudo gente bem formatada para não pagar impostos,assim eu podia ter milhões se não paga-se os meus impostos,esta festa tem que acabar com truques para roubar ao povo.

Anónimo 27.06.2017

Pudera. Com a justiça que temos só não rouba quem não quer. E se for de milhões compensa! Ainda hoje saiu noticia do tipo ex federação portuguesa de futebol, acusado de burla de 15 milhões ficar livre com caução de 60.000 euros... Com estes exemplos da justiça só não rouba quem for burro.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub