Justiça Operação Zeus. PJ faz buscas e detém cinco pessoas na Força Aérea por suspeitas de corrupção

Operação Zeus. PJ faz buscas e detém cinco pessoas na Força Aérea por suspeitas de corrupção

Cerca de 400 operacionais estão a efectuar buscas em várias instalações da Força Aérea, no âmbito de uma investigação de suspeitas de corrupção que teve início há dois anos e que terá burlado o Estado em 10 milhões de euros.
Operação Zeus. PJ faz buscas e detém cinco pessoas na Força Aérea por suspeitas de corrupção
Mariline Alves
Nuno Carregueiro 03 de Novembro de 2016 às 10:20
A Polícia Judiciária e a Polícia Judiciária Militar estão esta quinta-feira, 3 de Novembro, a efectuar buscas em várias messes da Força Aérea no país, numa operação que envolve cerca de 400 investigadores.
 
A notícia foi avançada pela RTP e pela TVI e entretanto confirmada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em comunicado, onde dá detalhes sobre esta investigação que tem o nome de código "Operação Zeus".
 
Foram emitidos mandados de detenção, estando em "causa factos susceptíveis de integrarem a prática de crimes de corrupção passiva, de corrupção activa e de falsificação de documento".

De acordo com a Polícia Judiciária, que também emitiu um comunicado, foram detidos "até agora, cinco homens, pela presumível prática dos crimes de corrupção ativa e corrupção passiva para acto ilícito e de falsificação de documentos". 
 
Estão a ser efectuadas 80 buscas domiciliárias e 25 buscas não domiciliárias, incluindo casas de militares e empresas fornecedoras, sendo que os equipamentos militares alvo das buscas estão localizados na Grande Lisboa, em Beja e em Leiria.
 
Segundo a RTP, a investigação teve o conhecimento e apoio total das mais altas instância da Força Aérea, nomeadamente o actual e anterior Chefe de Estado-Maior da Força Aérea, sendo que os suspeitos são oficiais e sargentos das gerências das messes e muitos fornecedores.

A PGR precisa que na operação participam 27 magistrados do Ministério Público, cerca 300 elementos da Polícia Judiciária (PJ), cerca de 40 elementos da Polícia Judiciária Militar e 30 peritos da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística e da Unidade de Tecnologia e Informação da PJ.
 
Estado lesado em 10 milhões

De acordo com a TVI, em causa estará o desvio de cerca de 30% do dinheiro dos orçamentos para a gestão das messes da Força Aérea, num esquema que envolvia a aquisição real de menos bens alimentares que os oficialmente encomendados. O "lucro" daí resultante estaria a ser repartido entre fornecedores e militares envolvidos neste alegado caso de corrupção. 
 
"No inquérito, investigam-se suspeitas de, pelo menos, desde o ano de 2015, algumas messes da Força Aérea serem abastecidas com géneros alimentícios, cujo valor a pagar, posteriormente, pelo Estado Maior da Força Aérea, seria objecto de sobrefacturação. Tal sucederia por acordo entre militares que trabalham nas messes, fornecedores dos géneros alimentícios e um elemento do departamento do Estado Maior da Força Aérea com funções de fiscalização das referidas messes", explica o comunicado da PGR.
 
"Os fornecedores de diversas empresas entregariam determinadas quantidades de alimentos, mas, o valor facturado, no final de cada mês, seria cerca de três vezes superior ao dos bens entregues na realidade. A diferença entre o valor facturado e o dos produtos efectivamente fornecidos seria dividida pelos elementos envolvidos", acrescenta a PGR.

Segundo a PJ, que fala em 180 buscas, este "esquema fraudulento poderá ter lesado o Estado num valor que, segundo se estima, poderá rondar os 10 milhões de euros".

"No decurso das 180 buscas, que decorrem em simultâneo em 12 bases militares, em 15 empresas e em diversos domicílios, foram apreendidas elevadas quantias em dinheiro, que se presume que sejam produto da prática dos crimes, bem como outros elementos de grande relevância investigatória", refere a PJ. 

Contactado pela Lusa, o porta-voz da Força Aérea, coronel Rui Roque, afirmou que a cadeia de comando do ramo teve conhecimento da operação e que está a prestar "toda a colaboração", tal como fez "nas investigações preliminares".

 

"A cadeia de comando da Força Aérea tem conhecimento desta investigação e está a assegurar toda a transparência e colaboração nas acções em curso", afirmou.

 

Rui Roque disse ainda que as acções de investigação desencadeadas hoje, cerca das 10:00, decorrem em "dez unidades" da Força Aérea no continente. Exceptuam-se, disse, as unidades nos Açores e na Madeira e as três estações de radar do continente e o aeródromo número 1, em Ovar.

 
(Notícia actualizada às 13:51 com comunicado da PJ, reacção da Força Aérea e mais informação)



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias

Se os bancos, que são supervisionados, praticam crimes de milhões e ninguém vai preso, estes são meninos de coro a seguir o exemplo.

comentários mais recentes
alberto.sousa.18007218 Há 12 horas

Viva a feijoada, viva o chourição, vivam as facturas, e a restauração. E vivam as messes, que é o que está a dar, Temos bolsos largos para ensacar. Vivam os majores, e os capitães, vivam os sargentos,e restantes, filhos da mãe. E vivas ao Zé, sempre a pagar, para os cães de guerra, poder sustentar. Vivam as empresas, e a corrupção. Vivam os dez milhoes, que souberam muito bem. Prisão para os ladrões, que estão a precisar.Neste país de ladrões, Isto vai ter que acabar. ENTÃO O EXERCITO, E A MARINHA? ESCAPAM AO CRIVO? OU NÃO EXISTE CORRUPÇÃO, NESTAS INSTITUIÇÕES?
NOVA ORDEM MUNDIAL, É PRECISA URGENTE. O QUE AS "PESSOAS" FAZEM PELO VIL DINHEIRO MACACO. SE O MALDITO, NÃO EXISTISSE, ISTO NUNCA ACONTECERIA.,ACABEM COM O DINHEIRO. JÁ.!!!!!!!!!!!

Boa, excelente gamanço, parabéns Há 2 dias

10 milhões já cá moram e obviamente ninguem vai preso. Eu só não roubo se não puder, não há policia, a Pj faz estas "coisas" para fingir e receber ordenado, roubem.

Anónimo Há 2 dias

Se investigarem os restantes ramos podem encontrar mais corrupção

The Spy Há 2 dias

Finalmente. Após décadas ou até séculos de desvios assoberbados. Mas então e o Exécito? E a Marinha? E a GNR? E a PSP? E a cantina da Assembleia da República? Até que todas estas sejam alvo de investigação semelhante, esta operação, não passa de atirar areia para os olhos. A FA é a mais pequena!!!

ver mais comentários
pub