Economia Polícia alemã procura autor do atentado em Berlim

Polícia alemã procura autor do atentado em Berlim

Condutor do camião que embateu numa feira de Natal em Berlim está a monte, depois das autoridades alemães terem reconhecido que prenderam o homem errado. Daesh já reivindicou o atentado que matou pelo menos 12 pessoas.
Polícia alemã procura autor do atentado em Berlim
Hannibal Hanschke/Reuters
Negócios 20 de Dezembro de 2016 às 20:43

As autoridades alemãs continuavam ontem ao final do dia à procura do homem que levou o camião a embater contra uma feira de Natal em Berlim. Nada se sabe sobre o terrorista, mas a polícia receia que esteja armado e possa realizar novos ataques.

Já o requerente de asilo paquistanês, que no início fora considerado suspeito de ter cometido o atentado, foi libertado devido à ausência de provas incriminatórias, indicou esta noite o procurador federal alemão. 

"A pessoa suspeita (...) foi posta em liberdade no final da tarde por ordem do procurador federal. Os resultados do inquérito não permitiram revelar elementos que confirmassem suspeitas concretas", indicou o procurador em comunicado.

"Os peritos e a polícia científica e técnica não conseguiram estabelecer até ao momento a presença do suspeito na cabina do peso-pesado", acrescentou. A polícia e a procuradoria federal tinham previamente indicado que este requerente de asilo que chegou à Alemanha no final de 2015 não seria provavelmente o autor do ataque e que um "criminoso perigoso" poderá estar em fuga.

"Precisamos de trabalhar assumindo que um suspeito armado está a monte. Em resultado disso, estamos em alerta elevado", disse um alto responsável da polícia criminal federal.

Se para as autoridades alemãs não havia dúvidas sobre as motivações terroristas do ataque – a própria Angela Merkel o reconheceu –, ontem foi  a vez do autoproclamado Estado Islâmico reclamar o atentado, que provocou pelo menos 12 mortos e dezenas de feridos. A informação foi avançada pela Reuters, citando a agência noticiosa Amaq, ligada ao grupo extremista: "Um soldado do Estado Islâmico cometeu a operação em Berlim em resposta a um apelo para atingir pessoas dos países da organização internacional", que combate o grupo no Iraque e na Síria.

Entretanto, a extrema-direita já veio posicionar-se, procurando capitalizar a tragédia. Frauke Petry, a líder do partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD), em crescendo nas sondagens e com presença reforçada nos parlamentos regionais alemães, não perdeu tempo e defendeu que "o mercado de Natal não foi um alvo acidental". "Não foi só um ataque à nossa liberdade e ao nosso estilo de vida, mas à nossa tradição cristã", prosseguiu Petry num comunicado citado pelo The Guardian.

Também o partido-irmão da CDU de Merkel, o bávaro CSU, veio colocar o dedo na ferida: o seu líder, Horst Seehofer, pediu uma mudança das políticas de imigração do Governo alemão: "Devemos isso às vítimas, àqueles afectados [pelo atentado] e a toda a população, temos de repensar a nossa imigração e política securitária e mudá-las", afirmou.

Estação evacuada em Colónia

Na sequência do atentado na feira de Natal em Berlim, toda a Alemanha está em estado de alerta. Ontem, ao final do dia, a estação ferroviária central de Colónia, Oeste da Alemanha, foi evacuada devido a uma ameaça de bomba, anunciou um porta-voz da polícia local. "A estação central de Colónia foi evacuada na sequência de uma ameaça sobre a presença de uma bomba. O tráfego de comboios foi suspenso", disse o porta-voz, referindo que a polícia recebeu "uma chamada" com a ameaça de bomba cerca das 18:00 (17:00 em Lisboa), segundo reportou a agência Lusa. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

Perguntam;porque se da isto?Aqui vai uma das possiveis resposta;escola a mais para uns,escola a menos para outros.Se os paises de muita escola conseguirem implementar escola onde nao ha,vamos por certo ter um mundo mais rebatedor atravez do cruzamento de ideia,em vez de cruzamento atravez de armas.

Anónimo Há 1 dia

Diz o ditado:casa roubada,trancas ha porta.O que Alemanha procura neste momento e cacar o melro com um canico de poucas varas,mas mais grave e que Alemanha nem sabe a dimensao do passarinho.No entanto estou convicto que Alemanha vai dar a volta por cima,depois de lamber as fridas,desnecessarias.

pub
pub
pub
pub