Política Polícia Legislativa retira manifestantes que invadiram Câmara dos Deputados do Brasil

Polícia Legislativa retira manifestantes que invadiram Câmara dos Deputados do Brasil

Mais de 40 manifestantes que ocuparam esta quarta-feira o plenário da Câmara dos Deputados do Brasil, em Brasília, foram retirados do local ao final da tarde pela Polícia Legislativa, para serem encaminhados para a Polícia Federal.
Polícia Legislativa retira manifestantes que invadiram Câmara dos Deputados do Brasil
Reuters
Lusa 16 de Novembro de 2016 às 22:25

Uma fonte da Câmara dos Deputados (câmara baixa do Congresso) adiantou à agência Lusa que os manifestantes vão ser acusados de tentar impedir, com emprego de violência ou ameaça grave, o livre exercício de poder.

 

De acordo com a mesma fonte, dois deles responderão também por lesão corporal e dano qualificado contra um agente da Polícia Legislativa (órgão policial da Câmara dos Deputados) e um secretário parlamentar.

 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, recusou negociar com o grupo, considerando que a negociação deveria ter acontecido antes da invasão, e determinou o encaminhamento para a Polícia Federal. "Subiram em cima da mesa do presidente. Não vamos tolerar esse tipo de abuso", comentou, citado pela Agência Câmara.

 

Os manifestantes que ocuparam o espaço durante cerca de três horas gritaram palavras de ordem contra a corrupção e o Governo e a favor de uma intervenção militar.

 

O grupo apresentou várias reivindicações, como o fim de "supersalários" para funcionários públicos, de reformas elevadas, de um ensino "carregado de ideologia" e do foro privilegiado (imunidade para os políticos não serem julgados nos tribunais locais, mas apenas no Supremo Tribunal Federal).

 

Um deles, que se identificou apenas como António, citado pelo jornal Valor Económico, acusou o governo do Presidente, Michel Temer, de "estar a implantar o comunismo no Brasil" e o Congresso de "não estar a fiscalizar". Durante a invasão, uma das portas de acesso ao plenário partiu-se, provocando ferimentos num deles.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub