União Europeia Porto está nos cinco favoritos para acolher Agência Europeia de Medicamentos

Porto está nos cinco favoritos para acolher Agência Europeia de Medicamentos

Um estudo aponta para a "resposta global equilibrada" da cidade portuguesa nos seis critérios para a relocalização. O Porto "está a ir a jogo para ganhar" e lembra que chegou "o momento da caça ao voto e da diplomacia".
António Larguesa 10 de outubro de 2017 às 13:18

Amesterdão, Copenhaga, Estocolmo, Porto e Viena. Estas são as cinco cidades mais bem colocadas para receber a Agência Europeia de Medicamentos (EMA na sigla inglesa), de acordo com um estudo elaborado pela EY e pela Augusto Mateus & Associados, divulgado esta terça-feira, 10 de Outubro, no Palácio da Bolsa.

 

O estudo encomendado pela Associação Comercial do Porto (ACP) coloca a cidade Invicta sempre no primeiro ou no segundo grupo mais bem colocado na avaliação aos seis critérios, suportados em 71 indicadores e repartidos por 24 dimensões de análise. Em termos de edifícios, da integração social das famílias, da garantia de continuidade de funcionamento da agência e da dispersão geográfica das agências europeias, o Porto é mesmo classificado como "top performer".

 

No que toca às acessibilidades e à educação dos filhos das centenas de funcionários, por outro lado, o Porto surge no segundo patamar ("very good quality"), o que contribui para uma "resposta global equilibrada" por parte da cidade portuguesa, resumiu Hermano Rodrigues, da EY, que apresentou em conferência de imprensa as conclusões de um estudo que faz uma média simples destas várias dimensões e compara as 19 candidaturas submetidas junto da Comissão Europeia.

 

Sem adiantar os lugares específicos, com o argumento de que o documento foi elaborado numa lógica de rating e não de ranking, o consultor garantiu apenas que "o Porto não está no quinto lugar". Depois das favoritas, surgem num segundo grupo as cidades de Barcelona, Bona, Bruxelas, Dublin, Helsínquia, Lille e Milão. No terceiro, onde entram as candidaturas apenas "satisfatórias", estão Atenas, Bratislava e Zagreb. Fora da corrida, segundo esta avaliação, estarão Bucareste, Malta, Sófia e Varsóvia.

 


Nuno Botelho, o líder da associação comercial que pagou este estudo, destacou que "a partir do momento em que está entre as cinco melhores, tem boas hipóteses de ganhar" esta corrida, que será decidida a 20 de Novembro. O sucessor de Rui Moreira na ACP falou numa "cidade fervilhante, competitiva, inovadora, economicamente viável e com uma sociedade civil activa" e citou o "impacto imenso" que a EMA teria aqui, lembrando a criação de mais de cinco mil empregos directos e as receitas fiscais de 164 milhões de euros que seriam geradas para o país nos primeiros dez anos.

 

Depois do polémico processo de escolha por parte do Governo português, que tinha inicialmente decidido candidatar Lisboa sem ponderar se outras localizações teriam melhores hipóteses, o vereador da Câmara do Porto e membro da comissão da candidatura, Ricardo Valente, falou numa "candidatura verdadeiramente nacional do ponto de vista político", deixando largos elogios ao envolvimento dos Ministérios da Saúde e dos Negócios Estrangeiros.

 

Hermano Rodrigues, da EY, apresentou as conclusões do estudo comparativo das 19 candidaturas submetidas junto da Comissão Europeia.

É que, ultrapassada a etapa focada em garantir que o Porto tinha as competências e cumpria os requisitos técnicos para acolher a EMA, que sairá de Londres na sequência do Brexit, as próximas fases são as da comunicação, prosseguindo a campanha digital iniciada em Agosto – "é muito importante que se fale do Porto pela Europa" – e da diplomacia, sendo necessário "muito envolvimento dos diplomatas para vender um produto que é bom", sustentou Eurico Castro Alves.

 

O ex-secretário de Estado da Saúde, outro membro apontado pelo município para a comissão da candidatura portuguesa, disse que "o Porto está a ir a jogo para ganhar" e reforçou que "vai chegar o momento da caça ao voto e da diplomacia". "Vai ser mais uma grande vitória diplomática de Portugal", perspectivou também Nuno Botelho, em referência à eleição recente de António Guterres para Secretário-Geral da ONU.

 

Nos próximos dois dias, a candidatura portuguesa vai estar em Bruxelas sobretudo para mostrar o que o Porto tem de bom na área da Saúde, que é um dos pontos mais relevantes que apresenta. Com a colaboração do Health Cluster Portugal e da Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus, será feito também um trabalho de lóbi junto dos deputados europeus e do Comissário Europeu da Saúde, Vytenis Andriukaitis.

 

Escritórios, voos e... "umbigos"

 

Na conferência de imprensa realizada esta manhã, Ricardo Valente recordou que a 30 de Setembro a Comissão Europeia divulgou um primeiro "assessment" técnico, não vinculativo, que levantou algumas questões sobre uma das três localizações sugeridas no centro do Porto para receber o escritório da EMA. Numa reunião a 6 de Outubro, garantiu o mesmo responsável, foi dada "resposta a essas dúvidas", demonstrando que também o Edifício Atlântico, na Praça D. João I, tem capacidade para acolher 1.300 pessoas.

 

"O Porto é a única cidade que tem três edifícios com ‘luz verde’. As localizações no Porto são um ponto forte e as três cumprem os requisitos EMA. Mostrámos que era um mito essa questão das localizações", assegurou o vereador da Câmara liderada por Rui Moreira, que assume a pasta do desenvolvimento económico e social. E deu o exemplo da candidatura alemã, que apresenta três possibilidades, mas em que duas delas estão "a vermelho".

O Porto é a única cidade que tem três edifícios com ‘luz verde’. As localizações no Porto são um ponto forte e as três cumprem os requisitos EMA. Mostrámos que essa questão era um mito. ricardo valente, vereador da câmara do porto e membro da comissão da candidatura portuguesa
Quanto ao problema das ligações aéreas, que é aquele que mais enfraquece a candidatura portuguesa, Ricardo Valente contrapôs que, se o Porto vencer este processo de deslocalização da EMA, as companhias aéreas vão aumentar as ligações aéreas para a cidade. É que, acrescentou, o aeroporto Francisco Sá Carneiro, que vai chegar no final deste ano aos dez milhões de passageiros, tem capacidade para 15 milhões e há um projecto de expansão já apresentado para chegar aos 20 milhões de passageiros. "Havendo aumento da oferta [das companhias aéreas] temos capacidade instalada e para expandir o aeroporto", ripostou.

 

O membro da comissão da candidatura nacional desvalorizou, por outro lado, o inquérito interno feito junto dos funcionários da EMA sobre qual o destino preferido, em que o Porto não aparece nos primeiros lugares, lembrando que "esse não é um critério para a Comissão Europeia" e também o percalço na escolha do concorrente português. Já a preferência da indústria farmacêutica pelo Norte da Europa é encaixada numa "lógica do umbigo" pelo desejo de proximidade com o regulador. E, concluiu Valente, "o que está em causa é uma agência regulatória e os critérios [de escolha na relocalização] não são os da indústria".

A carregar o vídeo ...



pub