União Europeia Porto perde Agência Europeia de Medicamentos. Amesterdão ganhou por sorteio

Porto perde Agência Europeia de Medicamentos. Amesterdão ganhou por sorteio

Amesterdão vai acolher a sede da Agência Europeia de Medicamentos, que sai de Londres na sequência do Brexit. Após três votações, na última ronda houve empate com Milão e o resultado final foi obtido através de sorteio.
Porto perde Agência Europeia de Medicamentos. Amesterdão ganhou por sorteio
reuters

Amesterdão (Holanda) é a cidade escolhida para acolher a sede da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) a partir de 2018. O Porto, que protagonizou a candidatura portuguesa, ficou de fora desta corrida logo na primeira votação.

A escolha foi feita em três rondas de votações e, no final, teve de se desempatar através de sorteio. Na primeira e segunda rondas Milão conseguiu recolher o maior número de votos. Mas na terceira e última registou-se um empate, tendo ambas as cidades captado 13 votos. A Eslováquia absteve-se nas duas últimas rondas, depois de Bratislava ter sido dada como uma das potenciais vencedoras, o que se soube logo ao início da tarde que não iria acontecer.

O autarca portuense, Rui Moreira, referiu já esta tarde que sempre soube que "a batalha era muito difícil", mas que, "apesar de geograficamente periférico, o país mostrou que tinha capacidade e que cumpria todos os critérios e que o Porto podia receber uma agência desta natureza e dimensão".

 

"O facto de o Porto se ter posicionado entre as cidades favoritas para acolher uma das maiores agências europeias, fez com que a cidade atingisse níveis de notoriedade, prestígio e reconhecimento nunca antes alcançados. Agora estamos ainda mais mira dos investidores internacionais; para além de sermos um polo turístico de grande importância, hoje somos uma cidade para investir e para viver como há poucas na Europa", acrescentou Moreira, citado numa nota de imprensa do município.

O primeiro-ministro, António Costa, deixou uma mensagem à cidade e ao presidente da Câmara do Porto, através da rede social Twitter, salientando que o resultado "confirma o Porto como uma grande cidade europeia".

Já Marcelo Rebelo de Sousa confessou que não tinha criado grandes expectativas em relação a este processo. "Acho que a candidatura foi muito bem apresentada, mas as hipóteses sempre achei que eram muito limitadas", disse Marcelo Rebelo de Sousa, citado pela Lusa, à saída da conferência "O poder da Educação na conquista da Igualdade", em Lisboa.

O Presidente da República considerou ainda que o resultado seria o mesmo se Portugal tivesse apresentado Lisboa a esta corrida, uma vez que "havia equilíbrios no quadro europeu em relação às várias agências que tornavam muitíssimo difícil à partida, quer para Lisboa quer para o Porto, a vitória".


Três rondas e desempate por sorteio

Cada um dos 27 países votou, numa primeira ronda, com três pontos na proposta favorita, dois para o segundo projecto preferidos e um para a terceira escolha. Se um dos países tivesse conseguido as votações máximas de todos os estados-membro teria vencido automaticamente. 


Na primeira ronda de votações, Milão conseguiu 25 pontos, enquanto Amesterdão e Copenhaga conquistaram 20 pontos. O Porto foi a sétima cidade mais votada, a par de Atenas, tendo recolhido 10 votos. A Invicta ficou atrás de Bratislava (15), Barcelona (13) e Estocolmo (12); e à frente de Bona, Lille e Sófia (todas com 3 votos); Viena (4), Bruxelas e Helsínquia (ambas com 5 votos); Bucareste e Varsóvia (7). As candidaturas da Irlanda e da Croácia nem sequer foram a votos.

A segunda ronda de votações ditou a eliminação de Copenhaga, com esta cidade a conquistar apenas cinco votos. Assim, Milão e Amesterdão disputaram a votação final. Na segunda ronda, Milão conseguiu 12 votos e Amesterdão nove.


Na terceira ronda, Milão e Amesterdão conseguiram 13 votos, tendo sido necessário desempatar através de um sorteio conduzido, segundo o Politico, pela Estónia, que está actualmente na presidência do Conselho da União Europeia.

A votação sobre a nova localização da EMA, que tal como a Autoridade Bancária Europeia (EBA) irá sair de Londres na sequência do Brexit, decorreu na reunião do Conselho de Assuntos Gerais, em que esteve presente a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias. No escrutínio participam 27 Estados-membros – o Reino Unido foi excluído –, que decidem um dossiê a que também se candidataram cidades de outros 18 países comunitários.

 

A três dias desta votação em Bruxelas, o Governo português ainda mostrava confiança na vitória da candidatura portuguesa para acolher a sede da Agência Europeia de Medicamentos. Ana Paula Zacarias assegurou que nos últimos meses "foi feito um intenso trabalho diplomático", com "numerosíssimas diligências diplomáticas" junto dos outros 26 países e o envolvimento de "toda a rede de embaixadas, da Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia e de vários membros do Governo". Incluindo o primeiro-ministro, António Costa, que esta manhã tinha deixado uma mensagem de confiança no Twitter.

 

 

De acordo com um relatório da Deloitte, pedido pelo Infarmed, a relocalização da EMA para Portugal teria um impacto de 1,3 mil milhões de euros na economia portuguesa até 2030, incluindo a geração de receitas fiscais de cerca de 164 milhões de euros nos primeiros dez anos e também a criação de 5.300 postos de trabalho.

 

A candidatura portuguesa arrancou mais tarde do que a generalidade das concorrentes, uma vez que Governo português quis inicialmente candidatar a cidade de Lisboa, que já acolhe duas infra-estruturas comunitárias – a Agência de Segurança Marítima e o Observatório da Droga –, sem ponderar se outras localizações teriam melhores hipóteses.

 

Só no Conselho de Ministros de 13 de Julho, a poucos dias de terminar o prazo oficial para a apresentação de um dossiê de candidatura junto da Comissão Europeia, é que o Executivo socialista indicou que a Invicta tinha melhores condições do que a capital para protagonizar a candidatura portuguesa. No mês seguinte, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, avisou, porém, que Portugal "não [iria] comprar a relocalização" da agência.

 

O que fica para a Invicta?

 

Apesar deste insucesso na missão política e diplomática de atrair da EMA, o Governo antecipou-se na passada sexta-feira, 17 de Novembro, a salientar as vantagens desta campanha promocional sobre a cidade, qualquer que fosse o resultado esta tarde em Bruxelas. Ana Paula Zacarias lembrou que "serviu para divulgar o Porto em todas as capitais europeias, onde [foi dada] a conhecer a capacidade para fazer uma candidatura desta dimensão". "E fazendo esta, pode fazer muitas outras no futuro para outras entidades e instituições", acrescentou a governante.

 

"Independentemente do resultado, Portugal e o Porto ganharam com uma candidatura que honrou o país. Uma candidatura nacional que, nas diferentes condições postas, soube responder com competência e qualidade. (…) O Porto mostrou a sua vitalidade e capacidade para acolher instituições de elevada diferenciação, não apenas ao nível económico, mas sobretudo ao nível científico. E temos a certeza que se abriram portas" para a cidade no futuro, concordou Adalberto Campos Fernandes.

 

Também o presidente da Câmara do Porto, que foi uma das vozes que mais se fizeram ouvir para que a cidade fosse também considerada neste processo, explicitou nesse encontro com a imprensa que "nada será como dantes" e "doravante, quer em situações desta natureza de carácter europeu, quer noutras, o Porto passa a estar no mapa das cidades que podem acolher estes investimentos e estas instituições".

 

"Passamos a estar no mapa, passamos a estar num campeonato onde até hoje nunca tínhamos estado. (…) Passar a fazer parte das cidades que podem concorrer neste tipo de candidaturas, é muito interessante", insistiu o independente Rui Moreira, aludindo também ao "trabalho de levantamento importante" feito para este processo e que incluiu também "uma análise custo-benefício dos recursos" de que a cidade dispõe. Alguns desses elementos resultaram de um estudo encomendado à EY pela Associação Comercial do Porto, divulgado a 10 de Outubro, que colocava a Invicta numa lista de cinco favoritas para receber a sede da EMA em 2018.

(Notícia actualizada pela última vez às 17:25 com mais informação sobre o desfecho do processo)




A sua opinião49
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Porto perde Agência Europeia de Medicamentos. Amesterdão ganhou por sorteio

NÃO ME DIGAM QUE ESTAVAM Á ESPERA QUE PORTUGAL GANHASSE?

comentários mais recentes
agh Há 2 semanas

Em Lisboa a conversa é não tem problema com a falta de chuva kkkkkkkkkkkk .
Quando Lisboa vive com mais de 90% de agua que vem do Ribatejo .
Ainda vão chegar a conclusão que quem tem problemas é o Ribatejo que tem de sustentar Lisboa .

Anónimo Há 3 semanas

Porto perde Agência Europeia de Medicamentos. Amesterdão ganhou por sorteio

NÃO ME DIGAM QUE ESTAVAM Á ESPERA QUE PORTUGAL GANHASSE?

Abílio Há 3 semanas

O Porto não perdeu, só se perde o que se tem. Nem todos os Portuenses são Portistas.

MAriana Há 3 semanas

Porque acharão os políticos que os outros são como eles? "a cidade atingisse níveis de notoriedade, prestígio e reconhecimento nunca antes alcançados" Este Rui Moreira conhecerá algum europeu normal, ou todos os conhece são políticos como ele? O Porto é conhecido pelo vinho, não pelos medicamentos.

ver mais comentários
pub