Economia Portos nacionais com volume de carga recorde em 2015

Portos nacionais com volume de carga recorde em 2015

O Porto de Sines registou um acréscimo de 6,16 milhões de toneladas face a 2014 (+17,6%), sendo ainda de assinalar as subidas de Leixões (4,8%), Aveiro (3,9%) e Faro (11,1%). Viana do Castelo, Lisboa e Figueira da Foz tiveram recuos.
Portos nacionais com volume de carga recorde em 2015
Lusa 07 de Outubro de 2016 às 14:05
O volume de mercadorias movimentadas nos portos nacionais atingiu um recorde de quase 84 milhões de toneladas em 2015, mais 7,9% do que no ano anterior, destacando-se Sines, com um crescimento homólogo de 17,6%.

Segundo a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, o acréscimo de 6,16 milhões de toneladas de carga traduziu-se num aumento de 12,5% das importações e de 6,5% das exportações, enquanto o tráfego de cabotagem (navegação entre portos marítimos do mesmo país) registou uma quebra de 7,9%.

A Europa foi o continente com maior volume de carga importada (43,8%), seguida da América (25,9%) e África (24,7%), sendo o "petróleo bruto e gás natural" de Angola, Rússia, Egipto e Argélia as mercadorias com mais peso nas importações, a par dos produtos agrícolas da Ucrânia, França e Brasil.

O volume de exportações mais elevado foi igualmente para o continente europeu (43,7% do total, mais 10,3% face a 2014), seguindo-se África, com 28,2% (-4,5%), e América, com 19,8% (+7,1%), destacando-se entre as mercadorias mais exportadas os "produtos petrolíferos refinados", os "produtos alimentares, bebidas e tabaco" e "outros produtos minerais não metálicos".

O Porto de Sines registou um acréscimo de 6,16 milhões de toneladas face a 2014 (+17,6%), sendo ainda de assinalar as subidas de Leixões (4,8%), Aveiro (3,9%) e Faro (11,1%).

Pelo contrário, registaram-se decréscimos de 7% em Viana do Castelo, 2,2% em Lisboa e 7,5% na Figueira da Foz.

O Porto de Sines foi responsável pelo maior volume de movimentação de mercadorias, com 49,2% do total, seguindo-se Leixões (20,8%) e Lisboa (12,6%).

"Este comportamento é influenciado pelos segmentos de mercado constituídos pela importação de petróleo bruto, carvão e gás natural (em Sines e Leixões) e importação de cereais (em Lisboa)", realça a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

comentários mais recentes
João SIlva Há 3 semanas

O porto do Lisboa devia encerrar, está impestado!

José Ribeiro Há 3 semanas

LISBOA recua. Abriram mais esplanadas.

Juca Há 3 semanas

Só agora é que vêm com essas contas? Passados estes meses todos? Em países de eficiência em abril já têm essas contas feitas. Lisboa baixa com a força sindical a dar cabo de Portugal. O povo a trabalhar e o sindicalista a bandeira a abanar.

Anónimo Há 3 semanas

Pois e,pois e nessa altura nao havia lomba no caminho.Isto nem se chama lomba,e mais a passagem obstruida com semelhante peixorca,

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub