Emprego Portugal com segunda maior subida homóloga no emprego na UE

Portugal com segunda maior subida homóloga no emprego na UE

Em cadeia, a prestação portuguesa foi a quarta mais elevada no segundo trimestre. Em ambos os casos, o emprego cresceu acima da média europeia e da Zona Euro.
Portugal com segunda maior subida homóloga no emprego na UE
Inês Gomes Lourenço
Paulo Zacarias Gomes 13 de setembro de 2017 às 09:36
A taxa de crescimento do emprego em Portugal no segundo trimestre, comparada com o mesmo período de 2016, foi a segunda mais elevada entre os países da União Europeia com dados disponíveis.

Segundo o Eurostat, em dados divulgados esta quarta-feira, 13 de Setembro, o aumento foi de 3,6% em termos homólogos, acelerando face aos 3,3% do primeiro trimestre, numa taxa só superada pelos 4,7% de Malta.

Em cadeia - ou seja, a variação em relação ao trimestre anterior - a subida de Portugal foi de 0,7%, um abrandamento em relação ao crescimento de 1% verificado entre o último trimestre de 2016 e os primeiros três meses de 2017.

Neste caso, a prestação de Portugal foi, com a Eslovénia, a quarta melhor entre os países da UE com dados disponíveis, onde as maiores evoluções ocorreram em Malta (1%), Espanha (0,9%) e Grécia e Polónia (ambas com uma subida de 0,8%).

Em ambos os casos (comparação em cadeia e evolução homóloga), a prestação de Portugal situou-se acima das médias da Zona Euro (0,4% em cadeia e 1,6% na comparação anual) e da União Europeia (0,4% em cadeia e 1,5% em termos anuais).

"O Eurostat estima que, no segundo trimestre de 2017, 235,4 milhões de homens e mulheres estavam empregados na União Europeia, dos quais 155,6 milhões na Zona Euro. Estes são os valores mais elevados registados em ambas as áreas," refere o comunicado do Eurostat.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Incomparáveis 13.09.2017

Ao anónimo
A conclusão é sua e posso garantir-lhe que é errada. Como acontece com todas as conclusões apressadas ou só baseadas no conhecimento das motivações próprias.

Anónimo 13.09.2017

Ó incomparável,

Assumo que seja da direita radical do líder PPC uma vez que não gosta que o resultado seja positivo para Portugal. No entanto quando a situação inverte-se e os números (incomparáveis) dão maus resultados para o País vocês não se preocupam com a base, apenas k a culpa é do Governo!

Incomparavel 13.09.2017

Se eu lhe responder com o mesmíssimo texto, fico igual a si. Isto é, desqualificando com palavras sem qualquer fundamento. Conversa vazia em que não alinho.

ricardo 13.09.2017

ó incomparável. De má qualidade é a sua escrita. Um pouco de escola não lhe fazia mal. Um bom dia para si.

ver mais comentários