Conjuntura Portugal com terceiro maior crescimento nas despesas com habitação

Portugal com terceiro maior crescimento nas despesas com habitação

O aumento, no espaço de uma década, acontece apesar de ser um dos países que dedica uma das menores fatias do orçamento familiar para gastos com água, electricidade, gás e outros combustíveis. Já a Alemanha foi dos poucos países que reduziram a percentagem dedicada a esta despesa.
Portugal com terceiro maior crescimento nas despesas com habitação
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 29 de Novembro de 2016 às 10:25

Numa década, as famílias portuguesas estiveram entre as que, em toda a Europa, registaram um maior crescimento na fatia orçamental dedicada a despesas relacionadas com a habitação, tendo estes gastos representado 18,8% do total.

O aumento de 4,5 pontos percentuais é o terceiro maior entre os 28 países da União Europeia e só superado pelos crescimentos em Espanha (mais 5,6 pontos percentuais) e na Irlanda (mais cinco pontos percentuais), avança o Eurostat esta terça-feira, 29 de Novembro.

Ainda assim, os gastos com água, electricidade, gás e outros combustíveis ficam abaixo da média europeia (24,4%) e da Zona Euro (24,1% do orçamento). Entre os 28 da UE, as famílias portuguesas estão em sexto lugar nos que dedicam uma menor fatia do seu orçamento a estas despesas.

Dinamarca, Finlândia, França e Suécia são os países em que as famílias, proporcionalmente, maior fatia do seu orçamento dedicam – todos eles mais de um quarto da verba total. 

Depois da despesa com habitação – o que absorve, individualmente, os maiores gastos – os europeus aplicam 13% do rendimento gasto em transportes, 12,3% em alimentação e bebidas não-alcoólicas e 11,5% em bens e serviços diversos.

Os gastos com cultura e com restaurantes e hotéis absorvem, cada um, uma fatia de 8,5% do orçamento, sendo a educação o capítulo onde menos se gasta, proporcionalmente: 1,1%.

Os únicos países a registarem uma redução da parte do orçamento dedicado às despesas com a habitação foram a Eslováquia, a Suécia, Malta, Polónia, Alemanha e Eslovénia.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

Dono dos Burros Há 1 semana

Enquanto andarem com mariquices ambientais, vão pagar cada vez mais. O problema é vosso. Acordem!

Anónimo Há 1 semana


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

pub