Economia Portugal continua a importar mais do dobro de sardinha do que exporta

Portugal continua a importar mais do dobro de sardinha do que exporta

Portugal continua a importar mais do dobro da sardinha que exporta, segundo dados do INE que indicam a venda de 6,1 mil toneladas e a compra de mais de 14,5 mil toneladas entre Janeiro e Agosto deste ano.
Portugal continua a importar mais do dobro de sardinha do que exporta
Pedro Noel da Luz/Correio da Manhã
Lusa 04 de novembro de 2017 às 10:49

Segundo os dados preliminares facultados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) à agência Lusa, nos primeiros oito meses deste ano, Portugal exportou 6,1 mil toneladas (quase 6,2 mil toneladas quando se incluem dois géneros - sardinops e sardinelas), contabilizando peixe fresco e congelado. O valor foi de quase 12 milhões de euros.

No mesmo período de 2016 as vendas ao exterior, segundo dados provisórios do INE, ultrapassaram as 4,8 mil de toneladas (quase 5 mil de toneladas, com a inclusão dos géneros sardinops e sardinelas) e os 10,8 milhões de euros. Na totalidade do ano passado, a exportação foi de 7,5 mil de toneladas, correspondendo a 15,4 milhões de euros.


Nas importações, com destaque para o peso da sardinha congelada, as estatísticas provisórias mostram em 2016 um total de quase 25 mil toneladas (25,6 mil toneladas com géneros) e um valor de 32,6 milhões de euros. A importação de espécie congelada chegou quase às 18 mil toneladas e a aproximadamente 20 milhões de euros.


Na comparação com os primeiros oito meses de 2016, a venda ao exterior aumentou em 1,3 mil toneladas (6,1 mil toneladas este ano e quase 12 milhões de euros) este ano, face às 4,8 mil toneladas no ano passado e aproximadamente 11 milhões de euros.


Segundo o INE, com fonte no Comércio Internacional de Bens, até Agosto de 2017 foram importadas mais de 11 mil toneladas de sardinha congelada (12,4 milhões de euros), enquanto no mesmo período em 2016 não se tinha chegado às 10 mil toneladas (10,5 milhões de euros).

Uma subida de 1,2 mil toneladas é a diferença em termos de importação, já que até Agosto de 2017 se somavam 14,5 mil toneladas (quase 19 milhões de euros) contra as 13,4 mil toneladas de sardinha no período homólogo (cerca de 18 milhões de euros) de 2016.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Mais um belo negócio do tuga bronco e estúpido!

Espanhóis iguais a eles próprios : sacanas e ladrõ Há 2 semanas

Entretanto, os pulhas dos Espanhóis caagam-se para o facto de ser uma ilegalidade e vêm pescar as nossas sardinhas, nas nossas águas, para, de seguida, nós - parvalhões como sempre - lhas irmos comprar.
PORÉM, PARA A CANALHADA ESPANHOLA A LEGALIDADE JÁ TEM DE SER RESPEITADA, NO CASO DA CATALUNHA.

Anónimo Há 2 semanas

A sardinha é nossa. Primeiro estamos nos, porque o mar é nosso. Deixarmos os outros pescar nas nossas águas sardinhas grandes e pequenas, e ainda lhes vamos comprar o peixe, não existe justificação.

Anónimo Há 2 semanas

Pois é: enquanto andamos a brincar às start-ups e a outras fantasias, importamos todos os dias aquilo que comemos. Foi assim que enfiaram o País num buraco.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub