Conjuntura Portugal cresce acima da média da Zona Euro

Portugal cresce acima da média da Zona Euro

A economia portuguesa cresceu 1,9% no último trimestre do ano passado face ao mesmo período de 2015, um valor que supera a média dos países da Zona Euro para esse período (1,7%), mostram os dados do Eurostat.
A carregar o vídeo ...
Nuno Aguiar 14 de fevereiro de 2017 às 11:03

O bom resultado no final do ano colocou a economia portuguesa entre as mais dinâmicas da moeda única. Depois de um arranque do ano que chegou a crescer a perto de metade do ritmo do euro, Portugal está agora acima da média.


Os dados publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, entre Outubro e Dezembro de 2016, o PIB nacional avançou 1,9%, quando comparado com o mesmo trimestre de 2015. Cruzando este valor com o Eurostat, verifica-se que ele fica acima do crescimento médio dos países da Zona Euro, que se fixou em 1,7%.


Acima de Portugal surge Espanha (3%, o melhor do euro), Chipre, Lituânia, Holanda e Eslováquia.


Até aqui estamos a olhar para a variação homóloga do PIB. Mas quando se analisa a variação em cadeia - comparação com o trimestre anterior - Portugal também surge acima da média, com um crescimento de 0,6%, que compara com 0,4% do euro. No trimestre anterior, a variação em cadeia da economia portuguesa já tinha superado a média da Zona Euro (0,8% vs. 0,4%).




O INE explica que, em termos homólogos, a aceleração da economia portuguesa no final de 2016 é justificada por um maior contributo da procura interna. Isto é, uma recuperação do investimento - que, segundo as palavras do INE, parece finalmente ter recuperado - e um "crescimento mais intenso" do consumo das famílias. A vertente externa (exportações subtraídas de importações) deram um contributo negativo para o crescimento, o que reflecte o crescimento mais forte das importações do que das exportações.

Quando a comparação é feita com o trimestre anterior, verifica-se que o PIB aumentou 0,6%. Uma variação em cadeia forte, embora inferior ao registado no terceiro trimestre (0,8%), que já tinha surpreendido pela positiva. O crescimento em cadeia nos últimos três meses do ano deveu-se essencialmente a mais investimento.






A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tudo mentira !!! 14.02.2017

Se Portugal esta melhor os louros são do Coelho da PAF que endireitou a economia escondendo os buracos no BES, Banif e CGD !

Anónimo 14.02.2017

Toda a gente sabe que o crescimento é menor que 2015, que a divida é maior do que em 2015, e que o défice de 2016, se mantivessem o nivél de investimento do estado, seria pior do que 2015. E depois? Os tugas vão xular tudo o que podem enquanto a onda for favoravél. O custo que paguem os próximos!

Anónimo 14.02.2017

Para o José. Se ler o texto com mais atenção vê que se refere ao 4º trimestre de 2016. Não há manipulação. São dados reais do INE. Na Espanha praticamente não houve governo do Raroy. Era um simples governo de gestão até ser aprovado pelo parlamento. A direita é melhor qd não governa eheh.

jose 14.02.2017

Manipulação. Manipulação. Manipulação. Em 2016, Portugal cresceu o valorzinho de 1,4%, enquanto a UE cresceu 1,8%. Espanha cresceu mais de 3%, com Rajoy.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub