Energia Portugal e China vão cooperar na área da energia e mobilidade sustentável

Portugal e China vão cooperar na área da energia e mobilidade sustentável

Portugal e China vão avançar com um grupo de trabalho para desenvolver uma cooperação na área da energia e mobilidade sustentável, disse à Lusa o ministro da Ciência, Manuel Heitor.
Portugal e China vão cooperar na área da energia e mobilidade sustentável
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 01 de novembro de 2017 às 19:27

A ideia passa por interligar dois projectos: o Centro Internacional de Investigação para o Atlântico, que Portugal quer ver rapidamente implementado e em funcionamento nos Açores, com uma acção também orientada para o estudo das alterações climáticas, e uma "nova rota da seda verde", um projecto hoje apresentado pela China no decurso de um simpósio das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, EUA, dedicado a questões energéticas e à sua importância para atingir os objectivos de desenvolvimento sustentável até 2030.

 

"Penso que Portugal pode ter uma nova centralidade nesta relação entre a China e o Atlântico nomeadamente na área dos temas sustentáveis de energia, nos quais temos instituições líderes e uma capacidade científica em Portugal muito relevante à escala global", disse à Lusa o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, que participou no simpósio a convite da China.

 

A sua intervenção pretendia, por um lado, "relatar o esforço de investigação de Portugal nomeadamente na área da integração de energias renováveis e da mobilidade eléctrica" e, por outro, "passar a mensagem" da "necessidade de desenvolver e implementar nos próximos anos o Centro Internacional de Investigação para o Atlântico, baseado na cooperação norte-sul/sul-norte no Atlântico".

 

O grupo de trabalho que vai ser criado vai juntar a eléctrica nacional chinesa, China State Grid, a instituições portuguesas de investigação nas áreas das energias renováveis, como o INESC TEC, ou a mobilidade eléctrica sustentável, como o CEiiA, ou ainda a REN - Rede Eléctrica Nacional.

 

Sobre o projecto de uma nova rota da seda - uma rota comercial histórica que durante séculos ligou a Ásia ao Mediterrâneo através de vários interpostos comerciais - Heitor disse que o seu principal objectivo na sua nova versão "verde" é o de estabelecer "ligações energéticas que produzam mais energia, mas energia mais verde" que permitam evitar que até 2030 a temperatura do planeta aumente mais de dois graus.

 

"O que sabemos é que a utilização crescente de energias renováveis exige novo conhecimento, sobretudo na integração dessas energias, porque quando há sol e vento não é necessariamente quando as pessoas estão a usar a energia", disse Heitor, destacando a necessidade de desenvolver melhores sistemas de armazenamento da energia produzida.

 

O ministro recordou que em 2016 Portugal foi notícia por bater o recorde mundial de maior número de dias consecutivos a consumir energia produzida exclusivamente com base em fontes renováveis, um facto que também justifica o convite a Portugal para este simpósio.

 

A sessão de abertura ficou a cargo do secretário-geral da ONU, António Guterres, que na sua intervenção destacou que "a energia é a ligação entre todos os objectivos de desenvolvimento sustentável" e que os sistemas modernos de energia "são essenciais para reduzir a pobreza e garantir segurança alimentar, saúde pública e uma educação de qualidade para todos".

 

"Apesar desta evidência, o mundo está ainda longe de atingir o objectivo de desenvolvimento sustentável de energia limpa e acessível para todos", disse Guterres, lembrando dados como o facto de ainda haver quase mil milhões de pessoas no mundo sem acesso à electricidade: 500 milhões em África e 400 milhões na região Ásia-Pacífico.

 

Guterres apelou a uma cooperação global no combate às alterações climáticas e ao desenvolvimento de tecnologias de energia limpa, lembrando a importância do Acordo de Paris para atingir os objectivos de desenvolvimento sustentável até 2030, e do qual o presidente norte-americano em exercício, Donald Trump, retirou os EUA.

 

Ainda que a saída dos EUA do Acordo de Paris não tenha sido discutida no simpósio, Manuel Heitor disse não poder haver já qualquer dúvida do impacto das alterações climáticas. "Os dados e a evidência que os chineses aqui trouxeram levantam suspeitas sobre como é que hoje ainda há alguém que possa dizer que não há uma evidência clara dos efeitos da mudança climática", disse o ministro, recordando os recentes fogos em Portugal como exemplo.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

o interesse da china pelos açores é puramente militar dissimulado num projeto cientifico para espionar os américanos e os europeus...quanto às energias eles sao os donos da EDP e da REN e o projeto consiste a importar produtos chineses tipo paineis solares e aumentar a divida nacional

pub