Impostos Portugal entre os poucos países do euro onde a carga fiscal caiu em 2015

Portugal entre os poucos países do euro onde a carga fiscal caiu em 2015

O peso dos impostos e contribuições para a Segurança Social no PIB desceu em 2015 pelo segundo ano consecutivo.
Portugal entre os poucos países do euro onde a carga fiscal caiu em 2015
Nuno Carregueiro 25 de Novembro de 2016 às 11:18

As receitas do Estado português com impostos e contribuições para a Segurança Social representaram 37% do PIB em 2015, de acordo com os dados divulgados esta sexta-feira pelo Eurostat.

 

Os números do gabinete de estatística da Comissão Europeia mostram que apesar da queda ter sido muito ligeira, a carga fiscal em Portugal desceu em 2015 pelo segundo ano consecutivo. Foi no ano passado que a sobretaxa começou a descer em Portugal. 

 

O peso dos impostos e das contribuições para a Segurança Social (TSU) era de 37,2% em 2013, baixou para 37,1% em 2014 e voltou a recuar uma décima no ano passado. Antes disso tinha ocorrido o efeito do "enorme aumento de impostos" de Vítor Gaspar, que fez a carga fiscal disparar quase três pontos percentuais entre 2012 (quando se situava em 34,5%) e 2013.

 

Os dados do Eurostat mostram que no ano passado Portugal se inclui no restrito lote dos países da Zona Euro onde a carga fiscal baixou. A descida foi em linha com o registado em média nos países da moeda única e apenas inferior ao verificado na Irlanda, Dinamarca, Bélgica, Malta, Luxemburgo e Chipre. Entre os 29 países da União Europeia, a carga fiscal em 2015 desceu apenas em oito.

 

Portugal continua também a apresentar uma carga fiscal inferior à média da Zona Euro, que desceu uma décima para 41,4% em 2015. A França é o país onde este indicador atinge o nível mais elevado (47,9%), seguindo-se a Dinamarca e a Bélgica, também acima de 47%.

 

No pólo oposto está a Irlanda, com 24,4%, sendo que esta percentagem é influenciada pela forte revisão em alta da dimensão do PIB do país. Roménia, Bulgária, Lituânia e Letónia são os outros países onde a carga fiscal não chega a 30% do PIB.

 

Portugal surge a meio da tabela entre os países europeus, com a carga fiscal a ser dividida da seguinte forma: Impostos sobre produtos e importações (14,6% do PIB); impostos sobre o rendimento e a riqueza (10,8% do PIB) e contribuições para a Segurança Social (11,6% do PIB).

 

No Orçamento do Estado para 2017 o Governo português antevê uma nova descida ligeira na carga fiscal, embora os números do executivo não sejam comparáveis com os do Eurostat devido às diferentes metodologias utilizadas.




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luísa Há 1 semana

No meu PSD não voto enquanto esta gentalha não for corrida (Maria Luís, Marcos Antónios, Relvas, Passos, Montenegro). Ultra-liberais fazem do partido coisa sua! até lá, Adeus

Anónimo Há 1 semana

Enquanto esta srª. e Passos Coelho estiverem no PSD não contem com o meu voto e como eu à muitas pessoas.

Anónimo Há 1 semana

ES6TA PEIXEIRA ANDA POR TODO O LADO. RASSABIADA E ALDRABONA. PIRA-TE N TENS OUTRO EMPREGO P TE GOVERNAR? CARA DE ?

Digam o que quiserem Há 1 semana

Este PAF roubou-me e isso não lhes vou perdoar NUNCA.

Resposta de pertinaz a Digam o que quiserem Há 1 semana

BOM SINAL

SIGNIFICA QUE A MAIORIA DOS PORTUGUESES BENEFICIOU COM ISSO

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub