Conjuntura Portugal está melhor? "Os problemas continuam lá", diz Rogoff
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Portugal está melhor? "Os problemas continuam lá", diz Rogoff

Nos últimos meses é difícil encontrar más notícias sobre a economia portuguesa e europeia. De visita a Portugal, o ex-economista-chefe do FMI avisa que os problemas não desapareceram e que um choque na China os pode revelar.
Portugal está melhor? "Os problemas continuam lá", diz Rogoff
Bruno Simão
Nuno Aguiar 06 de junho de 2017 às 00:01

Kenneth Rogoff teme que o maior optimismo que rodeia Portugal e a Europa seja uma miragem conjuntural. O Estado português continua a ter uma das maiores dívidas do mundo e as falhas de arquitectura europeia não desapareceram Na semana

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Rogoff é co-autor de um estudo que conclui que economias sujeitadas a dívidas públicas excessivas em relação ao nível de criação de valor que conseguem alcançar empobrecem, atrasam-se e perdem autonomia com todos os graves danos para a sociedade que essa situação implica em termos de equidade. Ele sabe do que fala quando fala de dívida pública. Do mesmo modo e seguindo as mesmas conclusões e linha de pensamento, ele defende maior flexibilidade das regras laborais, combate ao excedentarismo, a criação de uma sociedade sem numerário e a reformulação do sistema público de prestações sociais que actualmente é insustentável porque se tornou num esquema em pirâmide. https://www.project-syndicate.org/commentary/dangers-of-paper-currency-by-kenneth-rogoff-2016-09

comentários mais recentes
Esta mesmo? Pais de mentirosos, e ladroes Há 2 semanas

Como diz o tal anucio da Brasuka, me engana vai. E so Fatimas-Fados- Futebol. E as manadas batem palmas.

Anónimo Há 3 semanas

Rogoff é co-autor de um estudo que conclui que economias sujeitadas a dívidas públicas excessivas em relação ao nível de criação de valor que conseguem alcançar empobrecem, atrasam-se e perdem autonomia com todos os graves danos para a sociedade que essa situação implica em termos de equidade. Ele sabe do que fala quando fala de dívida pública. Do mesmo modo e seguindo as mesmas conclusões e linha de pensamento, ele defende maior flexibilidade das regras laborais, combate ao excedentarismo, a criação de uma sociedade sem numerário e a reformulação do sistema público de prestações sociais que actualmente é insustentável porque se tornou num esquema em pirâmide. https://www.project-syndicate.org/commentary/dangers-of-paper-currency-by-kenneth-rogoff-2016-09

Camponio da beira Há 3 semanas

100' % de acordo.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub