Economia Portugal ganha território sem água, de petróleo difícil e pesca impossível

Portugal ganha território sem água, de petróleo difícil e pesca impossível

Tire as dúvidas sobre o processo em que Portugal conquista direitos de soberania sobre a plataforma continental para efeitos de exploração e aproveitamento dos recursos naturais que existam no fundo do mar e no subsolo.
Portugal ganha território sem água, de petróleo difícil e pesca impossível
Reuters
António Larguesa 13 de agosto de 2017 às 22:47

A decisão final pode ser muito diferente?
Os argumentos são informação científica, resultante do levantamento feito ao longo de anos. Ou seja, a extensão está detalhada e cientificamente comprovada com apresentação de dados. Agora, esta subcomissão vai olhar para eles e aferir se está tudo correcto ou se é preciso recolher mais elementos e fazer novas análises para comprovar alguma zona. É uma avaliação minuciosa e morosa, mas Lisboa não espera grandes mexidas no final.

Podemos encontrar ali petróleo?
Dificilmente. A ocorrência de petróleo no "offshore" profundo encontra-se tipicamente localizada relativamente próximo das margens continentais geológicas. Como a nossa plataforma continental é relativamente estreita, a possível descoberta de petróleo estará provavelmente incluída na Zona Económica Exclusiva. Isto é, até às 200 milhas náuticas.

O que haverá então de valor nessa área?
Por um lado, há os recursos vivos que são organismos que estão em contacto permanente com o fundo e/ou o subsolo marinho, como sejam esponjas e corais. Por outro lado, os chamados recursos não vivos dizem respeito, por exemplo, a recursos minerais ricos em ouro, manganês, cobalto, titânio, elementos das terras raras, telúrio, metais do grupo da platina, níquel, cobre, zinco e cobalto.

Isto pode ser contestado por outro país?
Como se trata de uma submissão, nas zonas limítrofes das plataformas continentais, o que as Nações Unidas dizem é que os Estados-membros entendem-se e fazem uma proposta, podendo haver uma arbitragem no caso de haver entendimentos diferentes. Porém, o Executivo garante que não é o caso da proposta portuguesa, cuja extensão está "perfeitamente acordada e é pacífica".

Em que é que isto difere da Zona Económica Exclusiva?
A Zona Económica Exclusiva é uma zona situada além do mar territorial, cuja largura só poderá ir até às 200 milhas marítimas, sem possibilidade de prolongamento. E compreende a coluna de água e o fundo do mar, enquanto a plataforma continental envolve apenas a solo e subsolo em toda a extensão do prolongamento natural do seu território terrestre, até ao bordo exterior da margem continental.

Quem fica com a soberania sobre a coluna de água dessa área?
Não há soberania relativamente à coluna de água sobrejacente à plataforma continental dos Estados nas zonas em que esta se situa para lá das 200 milhas marítimas. Nestes casos aplica-se-lhe o regime de Alto Mar, ou seja a sua utilização está aberta a todos os Estados.

Quer dizer que não se pode pescar mais?
Exactamente, porque os direitos de soberania não incluem a coluna de água. Na plataforma continental, o Estado Costeiro só tem direitos exclusivos de exploração dos seres vivos pertencentes a espécies sedentárias que existam no fundo e/ou subsolo marinhos, pois são estes que estão sob a sua soberania.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lenita Há 1 semana

Agora que anda tudo a querer nova energias, nós andamos à procura de petróleo? Alguém acredita que o salário mínimo aumentava se o país tivesse petróleo? Não mais do que 20 virariam sultões e penas 10, rajás.

Anónimo Há 2 semanas

quero aqui deixar o meu lamento por a população continuar sem qualquer reação de critica aos políticos da treta deste país por nada fazerem contra quem anda a incendiar este pobre país Os políticos vão de férias para as praias o P.R anda como sempre a passear, os criminosos andam à solta pegando Fo

Anónimo 15.08.2017

O DIABO Q TANTO PEDIRAM CHEGOU AGORA C OS INCENDIOS POR TODO O PAÍS. AO Q PARECE ESTES TERRORISTAS INCENDIÁRIOS REGOZIJAM-SE AO VER O PAÍS A ARDER.
AO DESCOBRIR ESTES CRIMINOSOS ERA ENFIA-LOS A APAGAR O MESMO E DEIXA-LOS SÓZINHOS S QQ PROTECÇÃO.
DE CERTEZA Q OS FOGOS DESAPARECIAM.

Anónimo 15.08.2017

MR.Tuga.
Se em vez de comprarem submarinos tivessem comprado aviões p combate aos incêndios c certeza q seria mais rendável. Enquanto isso n acontecer continuaremos a depender dos privados.
Tudo isto é negócio de vários interesses principalmente dos empresários das aeronaves. Tudo negociatas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub